Conexão Capivara: Barba, cabelo e bigode

O prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (PMDB), aprovou tudo o que quis ontem (15) nas duas sessões extraordinárias realizadas na Câmara de Rio Preto. Os três projetos do Executivo foram aprovados, com algumas emendas que, na prática, em quase nada alteram as propostas originais.

As duas sessões foram um pouco mais longas do que se previa, isso porque alguns vereadores tentaram embolar o meio de campo. Gerson Furquim (PP) criticou o projeto que previa a redução do Imposto Sobre Serviços (ISS) para clínicas médicas, planos de saúde e empresas de TI. Alegou, com certa razão, que outra lei aprovada em setembro havia elevado a alíquota para esses mesmos setores – ou seja, o cúmulo da incoerência. A pressão de Furquim, porém, não surtiu efeito e os vereadores, claro, não são loucos de votar contra um projeto que prevê diminuição de imposto.

Furquim pediu ainda a retirada de outro projeto em pauta, o do Plano Municipal de Saneamento que prevê as diretrizes de abastecimento de água e de esgotamento sanitário pelos próximos 30 anos. Mas não obteve êxito. Duas emendas foram incorporadas ao projeto: uma de Pedro Roberto (PRP), que determina a revisão do plano de quatro em quatro anos, e outra de Marco Rillo (PT), que impede a concessão do sistema de água e esgoto à iniciativa privada.

Por fim, também foi aprovada proposta que destina R$ 350 mil à Empresa Municipal de Urbanismo (Emurb) para a Área Azul Digital. Apenas uma emenda a esse projeto – basicamente inócua – que exige que o valor seja inteiramente utilizado no novo sistema a ser implementado. Todas as emendas, ainda que não mudem muito a concepção dos projetos votados, ainda serão analisadas pelo Executivo e podem ser vetadas.

Há ainda mais uma sessão antes do recesso de 20 de dezembro, mas nenhuma proposta do Executivo entrará em pauta. Edinho fecha o ano legislativo com chave de ouro, após assumir o mandato com a Câmara dividida ao meio. De junho para cá, consolidou sua base no Legislativo, ainda que vez ou outra tenha problemas pontuais. Problemas esses que deverão ser reduzidos em 2018, com uma aguardada reforma no secretariado para acomodar os partidos que não estiveram ao seu lado nas eleições do ano passado, mas agora lhe dão sustentação no Legislativo. Se sem qualquer reforma já tem feito barba, cabelo e bigode nas votações, contemplando os novos aliados a vida na Câmara vai ser um passeio de Trem Caipira.

Clique aqui e confira na íntegra a coluna deste sábado (16)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS