Conexão Capivara: ANTIGOS AFETOS

Foto Divulgação

O efeito Bolsonaro continua causando rebuliço nas mais diferentes esferas partidárias. Relata a Folha de S.Paulo que, num rompante totalmente estranho à sua costumeira tranquilidade, o ex-governador Geraldo Alckmin chamou João Doria de “traidor” em reunião da direção nacional do PSDB, ocorrida nesta terça-feira (9), em Brasília. Também disse que não era “falso”, em alusão direta ao companheiro de sigla.

A acusação foi feita na presença de Doria, que disputa o segundo turno das eleições para o governo do Estado contra Marcio França. A irritação de Alckmin, responsável pela ascensão do ex-prefeito de São Paulo dentro do partido, teria sido motivada pela aproximação do colega de Jair Bolsonaro (PSL). A ponto de Doria já no domingo (7) ter declarado apoio ao capitão da reserva, que disputa a Presidência contra Fernando Haddad (PT).

O candidato ao governo do Estado estaria também se aproveitando da derrota de Alckmin para articular sua saída do comando nacional do PSDB, o que teria provocado a fúria do governador. Do outro lado da trincheira, o PSB de França definiu que apoiará Haddad no segundo turno das eleições presidenciais. Mas, sabendo da rejeição dos petistas especialmente dentro do Estado de São Paulo, liberou o atual governador do Estado a se manter neutro na disputa.

Pelo visto, Bolsonaro conseguiu mais do que milhões de votos para si e para seus apoiadores nas eleições de domingo: fez também romper laços entre antigos afetos e além de expor incoerências partidárias. É o verdadeiro vale-tudo eleitoral.

 

Clique aqui e confira na íntegra a coluna desta quarta-feira (10)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS