Concurso Receita: sancionado reajuste salarial

O presidente Michel Temer sancionou o projeto que prevê aumento salarial para os cargos de Receita Federal do Brasil (RFB). Com isso, a partir de janeiro de 2017 os servidores já contarão com novas remunerações.

Em 1º de janeiro, os vencimentos serão de R$ 11.132,21 para analista tributário e de R$ 19.669,01 para auditor fiscal, contando com o auxílio-alimentação de R$ 458. Posteriormente, os iniciais para analista corresponderão a R$ 11.639,24 em 2018 e a R$ 12.142,39 em 2019. No caso do auditor, serão de R$ 20.581,53 em 2018 e de R$ 21.487,09 em 2019.

Vale lembrar que a expectativa é de que o novo concurso da Receita Federal contemple 400 vagas de níveis médio e superior. Os adendos do Orçamento Federal preveem que o processo seletivo terá chances para os cargos de assistente-técnico administrativo, analista administrativo, auditor-fiscal e analista-tributário. O orçamento não indica a quantidade de ofertas por carreira.

As funções de assistente e analista administrativos pertencem ao quadro de pessoal do Ministério da Fazenda (MF). Ou seja, o MF realiza o concurso e depois redireciona as vagas para o seu próprio quadro e para o da RFB.

Para concorrer ao emprego de assistente será necessário ter completado o ensino médio em escola credenciada pelo Ministério da Educação. A remuneração inicial corresponde ao valor de R$ 3.756,82, com o vale-alimentação.

Os postos de analista administrativo, analista tributário e auditor se destinarão aos profissionais com nível superior em diversas áreas. Os salários do analista administrativo equivalem a R$ 4.969,02, já incluindo o benefício de alimentação.

As ofertas do concurso da Receita Federal deverão ser distribuídas entre diversos Estados, inclusive São Paulo. O Estado paulista ainda deve ficar com a maioria dos cargos administrativos, por não ter sido contemplado na última seleção.

 

Defasagem de pessoal na Receita Federal

Levantamento de abril do Ministério do Planejamento aponta que a Receita Federal tem mais postos em aberto do que preenchidos. O quadro do órgão constitui-se de 37.128 vagas, entretanto, somente 17.339 estão ocupados.

A situação pior é com relação ao cargo de analista-tributário, já que dos 16.679 postos, apenas 7.104 estão preenchidos. No caso da posição de auditor-fiscal há 10.214 chances vagas de um total de 20.449 oportunidades.

O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita), Geraldo Seixas, disse que é importante a recomposição dos quadros RFB, principalmente para a função de analista. Seixas comentou que “há uma defesa feita pela administração pela realização de concurso para analista”.

Pedro Delarue, auditor-fiscal da Receita Federal e ex-presidente do Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil), afirmou que a grande carência de pessoal da Receita Federal, atualmente, também está relacionada às carreiras de apoio, que requerem ensino médio completo. Os servidores que exercem tais funções pertencem diretamente ao quadro do Ministério da Fazenda, que depois os redistribui para as unidades da RFB.

Da Redação

Fonte: JC Concursos

SEM COMENTÁRIOS