Conceito moderno de construção promete economia de tempo, dinheiro, ambiente mais fresco e isolamento acústico

Da Europa para Rio Preto. Desenvolvido no velho continente há 40 anos, mas em formato de parede inteira, a utilização de blocos de concretos, preenchidos com EPS isopor e areia industrial, chegou à região, em formatos minimizados, e promete revolucionar o meio da construção civil.

CEO da Day-House, Dayana Almeida explica que a utilização dos blocos-day reduzem em 80% o tempo de trabalho para a construção de uma casa e ainda abafam em até 40% o som ambiente, além de manterem a temperatura interna em 24°C.

“O bloco de concreto é preenchido com isopor, feito com areia industrial, onde ele tem uma resistência maior. Esse bloco tem 10 MPA, o convencional tem dois MPA. Então, ele tem uma resistência muito maior que o normal”, disse ela, que continuou.

“Fiz esse produto porque vi as casinhas populares e achava indigno a pessoa morar lá dentro, além de ser pequeno é muito quente. Então, fui pesquisando e vi que esse produto já existe na Europa há 40 anos, mas lá é a parede inteira. Então, fui minimizando e fiz de um metro”, afirmou Dayana Almeida.

Segundo a CEO, o custo final de uma obra utilizando o bloco de concreto em substituição aos tijolos será mais econômico. “Para fazer qualquer casa, no final, fica mais barato pela praticidade, porque, por exemplo, levantamos uma casa de 283m², a alvenaria foi levantada em quatro dias, no método convencional seriam de 30 a 45 dias. Então, você economiza uma mão de obra que é paga diária”, explicou.

“Um pedreiro, mais um servente, mais um operador de betoneira. Tudo isso no papel você vai economizando e tem o mesmo valor da outra, porque o bloco também tem o seu preço. Ele é mais caro, porque o preço que você pagaria na diferença de uma obra de luxo você economiza na diária do pessoal. Então, você pode colocar um valor maior em um piso melhor, num lustre melhor e por aí vai”, exemplificou.

Outra vantagem da construção com os blocos revestidos por isopor é a temperatura interna da casa. Em um lugar como Rio Preto, onde o clima ultrapassa facilmente a casa dos 30°C, e a utilização de ar-condicionado e ventiladores se faz necessária, Dayana diz que não importa a temperatura ambiente, o clima interno da casa estará em 24°C.

“Ela mantem a temperatura ambiente de 24°C interno. Seja com chuva ou sol. A pessoa não teria necessidade de ar-condicionado, ventilador, a economia seria de várias coisas, além de tudo tem a economia da água na hora da execução”, afirmou.

Os blocos têm garantia de cinco anos e são feitos nos tamanhos de 10, 15 e 20 cm de espessura. “Temos um kit que é formado pelo bloco, o aplicador e a cola, que dá a liga para a construção, o que gera praticidade do tempo, menos custo para a obra final. É muito mais prático e você terá uma casa termo-acúsitca, com vedação de humidade, além de não ter mais mofo, evitando doenças respiratórias”, finalizou.

Ao todo, quatro casas em Bady Bassitt e uma em Rio Preto, no bairro Nunes, já contrataram o material para construção. Um bloco desses substitui nove dos tijolos convencionais, reduzindo muito a mão-de-obra. Na região já existem quatro casas construídas com esse método. (Colaboração: Carol Paschoalon)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS