Comissão de Obras sabatina secretário de Trânsito de Rio Preto

O presidente da Comissão de Obras, Serviços Públicos e outras atividades, vereador José Carlos Marinho (PSB), e o membro da comissão, Marco Rillo (PT), receberam, no início da tarde de ontem, o secretário de Trânsito, Transportes e Segurança de Rio Preto, Amaury Hernandes, para uma reunião sobre o serviço de tapa-buracos na cidade.

O secretário estava acompanhado do assessor da secretaria, Pedro Romero, que participou da sabatina, dando detalhes dos serviços que são prestados pela pasta.

Dhoje Interior

“A Secretaria de Trânsito apenas executa o que é orientado pela Secretaria de Obras. Nós realizamos o tapa-buraco apenas nas ruas que não são contempladas com o recape. São seis fiscais que percorrer os bairros da cidade e realizam a demarcação dos locais que irão receber o tapa-buraco”, explicou Amary.

No início da reunião, o vereador Marco Rillo mostrou fotos e vídeos de ruas do bairro Parque do Sol. Em algumas vias, mais de 67 marcações haviam sido feitas pelos fiscais para receber o serviço de tapa-buraco. “Não seria melhor recapear essa rua? O que vemos aqui é uma colcha de retalhos que deverá passar por remendos em breve. Estamos jogando o nosso dinheiro pelo buraco, literalmente”, disse Rillo.

Amaury disse aos vereadores que a verba utilizada para recape das ruas não é a mesma destinada ao serviço de tapa-buracos. Ele também afirmou que o metro quadrado do serviço de recape custa R$ 24,99 e o metro quadrado do tapa-buracos sai por R$ 29,93. “Não é uma diferença tão grande como alguns afirmam”, disse o secretário.

Os vereadores também questionaram Hernandes sobre o caso de alguns pedidos de lombada, como o feito pela vereadora Cláudia de Giuli para estudo de lombada na região do Sesi da represa.

O secretário informou que no ano passado a pasta não conseguiu instalar lombadas porque após a licitação empresas entraram na justiça e paralisaram o processo. “Ainda falando sobre o Sesi, há um estudo para a construção de uma rotatória. Não há como instalar uma lombada no local, já que não existe calçada dos dois lados da via”, completou o secretário.

Por Jaqueline BARROS