Comer, Beber e Afins: Zarattini investe em energia solar e prepara nova linha de negócios

A matriz fica no centro de Marília. (Foto Divulgação)

Nesta semana fui conhecer a linha de produção das massas Zarattini, que fica em Marília/SP. As massas são produzidas pela própria família Zarattini, auxiliada por 20 funcionários. São produtos caseiros comercializados há 38 anos pela família, que se instalou em Marília em 1980, logo depois que seus fundadores chegaram ao Brasil, vindos de Verona, na Itália.

A empresa acaba de se tornar autossuficiente na produção de energia, com o uso de placas de energia solar, instaladas na matriz. Além do investimento em energia fotovoltaica, a família acaba de adquirir novos equipamentos italianos para produzir massas em grande escala.

O Talharini Zarattini é suave e de preparo rápido

A nova unidade industrial será instalada em Marília e vai ampliar a capacidade de produção. O objetivo é distribuir produtos em pontos de venda (como supermercados) por todo Brasil. O projeto está sendo implantado para que comece a funcionar em 2019.
Os Zarattini inauguraram sua primeira loja própria em Rio Preto, em novembro de 2016 e pretendem continuar com a produção artesanal, na matriz, localizada no centro de Marília. “A massa fresca é nosso diferencial”, lembra Giancarlo Zarattini, o proprietário.
Atentos às necessidades do mercado, em Rio Preto a casa implantou o serviço de delivery. As massas são entregues na casa do cliente sem cobrança de taxa, para compras acima de R$60. Compras menores tem o adicional da taxa que varia dependendo do bairro da entrega.

O prato mais vendido da marca Zarattini é o sofiatelli, uma trouxinha de massa recheada, que tem 15 opções de recheio, como: 4 queijos com damasco, queijo brie com pera, bacalhau, camarão, calabresa e muçarela, entre outros. Outros pratos muito vendidos são a lasanha e o talharini. Os nhoques de batata, mandioca ou batata-doce, também têm grande procura. A marca oferece um menu diversificado com todos os tipos de massas. A produção artesanal é feita em Marília e comandada de perto pelos Zarattini, que não abrem mão do processo de fabricação de acordo com o que trouxeram da Itália .

Os painéis de energia fotovoltáica: economia garantida

De lasanha a canelone, todas as massas não levam conservantes e podem ser adquiridas para preparar em casa ou já prontas e com molho só para aquecer. São produtos com sabor caseiro, variedade de recheios e quatro opções de molho.

Se ainda não conhece as massas Zarattini, a loja de Rio Preto fica na Rua Antônio de Godoy, 3348, centro. O atendimento é de terça à sexta-feira das 9 às 18 horas e aos sábados e domingos das 9 às 12h30 horas. Para informações sobre preços e encomendas, ligue: 17-3304-8745.

 

Conversa com a Chef 

Laura Reinas

Você sabia que o Brasil produz azeites tão bons quanto o resto do mundo? Laura Reinas é azeitóloga desde 2008 e conta que a produção nacional não deixa nada a desejar às importadas. Ela é paulistana, tem 32 anos e já atuou numa importadora francesa de azeites premium e hoje oferece consultoria com a empresa/site Azeite seu Dia. Laura também tem um livro publicado pela Editora Sesi/SP. É formada em gastronomia pelo Senac de Águas de São Pedro, com especialização em azeites por escolas da Itália (ONAOO-Impéria e ICIF – Asti), Espanha (Universidad de Andalucia), Portugal (Universidade de Évora), França (Formação O&CO) e Estados Unidos (IOOS-NY). Ela conversou com a coluna e diz que azeite fica gostoso até com doces.

Comer, Beber e Afins em Rio Preto – O que define um bom azeite?
Laura Reinas – O que devemos procurar ao comprar um azeite, logo no rótulo, são informações como data de fabricação (quanto mais novo, melhor) e local de envase. Se for produzido e envasado no mesmo local, é o ideal. Devemos prestar atenção também se está com acidez entre 0,1 e 0,8 e se é extra virgem. Já após abrir e provar, ele deve ter aroma fresco, algo como notas verdes e herbáceas, nada de sabores que lembrem mofo, umidade ou fermentação.

Comer, Beber e Afins – O azeite com nível de acidez acima de 5% não é saudável?
Laura – Ele não é recomendado para consumo. O ideal são os extra virgens ou virgens.

Comer, Beber e afins – Azeite harmoniza bem com?
Laura – Azeite vai bem com tudo, mas fica perfeito até com sobremesa. No meu livro, inclusive, tenho receitas de sobremesas com azeite (bolo, cookies, salada de frutas…)

Comer, Beber e afins – Qual sua dica para o uso adequado do azeite em temperos?
Laura – Use sem moderação, aproveite esse delicioso produto rico em aromas e sabores frescos e naturais.

Comer, Beber e afins – Como você iniciou no mundo do azeite?
Laura – Desde pequena, por ser de família miscigenada, sempre tive muita curiosidade ao redor de várias culturas, por isso meus pais sempre me incentivaram a provar muitas comidas diferentes. E em uma dessas experiências, provei o azeite de um vizinho português, que havia trazido azeite de sua Quinta, em Mirandela, Portugal, e aquilo me encantou. Resolvi estudar Gastronomia por causa disso, e depois me especializei.

Comer, Beber e afins – Como podemos chamar sua atividade: sommelier de azeite?
Laura – Azeitóloga.

Comer, Beber e afins – Para entender de azeite é preciso…
Laura – Estudar muito, ser curioso e gostar de conhecer gente nova. Porque as pessoas que você mais irá conversar são os produtores e seus alunos ou clientes.

Comer, Beber e afins – Qual o melhor azeite comercializado no Brasil?
Laura – Os nacionais estão entre os melhores.

Comer, Beber e afins – Como assim? Temos azeites produzidos no Brasil?
Laura – Sim. Existe uma produção grande e confiável brasileira. Os azeites estão excelentes e com características iguais ou superiores aos importados de alta qualidade. Os produtores nacionais estão investindo em tecnologia, estudos e divulgação. Estão realmente empenhados nisso. E podemos achar esses azeites em empórios e empresas especializadas. Eu mesma, gosto tanto dos azeites nacionais, que os utilizo em minhas aulas. (Os principais produtores estão no Rio Grande do Sul).

Comer, Beber e afins – Qual o país que é o maior produtor de azeite atualmente no mundo? Laura – Espanha.

Nota: Para adquirir os azeites brasileiros é preciso pedir pela internet, pois eles não estão à venda nos supermercados. Os preços são salgados: variam de R$50 a R$120. Um site que oferece variedade de opções é o www.cantinhodoazeite.com

Flávia Costa e Renato Nasser: sucesso com O Braseiro Entrecortes

 

Churrasco no Riopreto Shopping
O Riopreto Shopping sedia a próxima edição de O Braseiro Entrecortes, no dia 29 de setembro, com entrada franca. Serão 10 estações de churrasco com os nomes estrelados do mundo da fumaça. A entrada é gtratuita. Programe-se.

Raclete
O Empório Luna acaba de incrementar o cardápio com um prato suíço, o Raclette. Trata-se de um queijo derretido servido na mesa ao cliente, um sucesso na Europa que acaba de chegar na Luna Dahma, da empresária Patrícia de Paula. Para informações e reservas, ligue (17) 4009-7500.

Uaiktoberfest
No dia 13 de outubro, das 16 às 2 horas, no Espaço Algodoeira, acontece a 1ª Uaiktoberfest. O evento terá shows de duplas sertanejas da região, samba, DJs e banda de Country Music. No menu: cervejas artesanais on tap, 13 bicos de chopes de vários rótulos, garrafas e uma praça de alimentação com comidas típicas da Oktoberfest, como Eisbein (Joelho de Porco), Salsicha Alemã, Costela Fogo de Chão gaúcha, Parrilla Porteña e Choripan. Iniciativa dos empresários Marcella e Cacaco Cunha em parceria com Andréa Ferreira. Informações pelos telefone (17) 3212-9076.

 

Por Ellen LIMA

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS