Comer, Beber e Afins: Roseiral é referência em atendimento e carnes frescas

Pensando num bom churrasco? Fique sabendo: a casa de carnes Roseiral é referência quando o assunto é boa comida e cortes de carnes. Trata-se de uma empresa familiar na qual os produtos estão sempre frescos. Comandada por Abel Fabiano, que tem na linha de frente do balcão os filhos Verônica e Fabrício, o local oferece atendimento rápido e eficiente.

No comando da cozinha está a matriarca, dona Sônia. E a cozinha de dona Sônia produz assados que atraem clientes de vários bairros, que formam filas nos finais de semana. Os assados são produzidos aos sábados, domingos e feriados. O frango assado do Roseiral vem com uma cobertura crocante que é segredo de família.

Dhoje Interior

Foi o frango assado da casa que me levou a praticamente atravessar a cidade, semanalmente, para ir lá comprar também as carnes (prontas ou não). Para quem prefere preparar, recomendo a fraldinha ao molho de mostarda. Vem prontinha para a panela, mas também fica perfeita na grelha.

Quem aprecia churrasco em Rio Preto encontra no Roseiral os melhores espetinhos. Há opções como espetos de fraldinha, medalhões de frango, miolo de alcatra e de costela. As kaftas são outro diferencial e tem de queijo, carne, carneiro e kibe.

Além dos tradicionais cortes de carne bovina, lá se encontra um bom chorizo de Red Angus. “A picanha Maturatta é nossa linha Premium. É a melhor para quem aprecia um bom churrasco”, recomenda Verônica. A tradicional cuiabana rio-pretense? também tem.
E o preço é justo. O atendimento da equipe, que conta com 15 atendentes treinados para fazer o corte da carne de acordo com o desejo do cliente, compensa. Além das carnes, a casa oferece farofas de excelente qualidade, temperos e bebidas. Além de comidas como lasanha, maionese, feijoada e panquecas, que dona Sônia prepara em dias específicos.

Para encomendar carnes, comida pronta e assados o telefone é (17) 3224-0991 ou (17) 99198-9000. O Roseiral funciona há 38 anos em Rio Preto e está localizado no coração do bairro São Judas. Fica na Avenida Major Leo Lerro, 1.120, próximo à rotatória do Jardim Soraya. O local fica aberto de terça-feira a domingo, das 8 às 19 horas. Aos sábados fecha às 16h30.

 

ELLEN LIMA
Jornalista diplomada pela Unesp Bauru e com pós-graduação em Comunicação Jornalística pela Cásper Líbero/Faperp. Vasculha e transita dia e noite pelas mídias digitais. Escreve, analisa e comenta sobre entretenimento, gastronomia, política, Rio Preto e afins. É natural de Garça/SP e, há 17 anos, reside em São José do Rio Preto. Vai conversar aqui sobre comer, beber e quem sabe, rezar e amar. Site:
www.ellenlimablog.com.br

 

Dry Age de Contra Filé

Vinicius Belucci Sposito

Ingredientes:
1 peça de Dry Age de 350 gramas (tem no Empório Nhô)
100 gramas de escarola cortada em tiras
100 gramas de abobrinha italiana cortada em meia lua
50 gramas de bacon
50 gramas de folhas de beterraba cortada em tiras
3 gomos de limão siciliano
1 cambuquira (flor de abobrinha italiana)

Modo de preparo

Grelhe o Dry Age em brasa com sal grosso de ambos os lados. Em uma frigideira, salteie (frite) o bacon cortado em cubos. Em seguida coloque azeite e acrescente o limão siciliano e a abobrinha, quando ambos estiverem dourados, acrescente os vegetais salter. Quando for dar o último tombo na carne sobre a grelha, coloque a cambuquira (flor de abobrinha) na grelha e a carne sobre ela, rapidamente. Depois retire e sirve empratado.

Nota: o Dry Age é uma técnica de maturação do filé que é feita em Rio Preto no Nhô Empório, pelo chef Alexandre Badaró.

 

Conversa com o Chef

Vinicius Belucci Sposito tem 34 anos, é formado chef de cozinha pelo Senac de São Paulo e atua há 10 anos. Faz parte da nova geração de cozinheiros brasileiros sintonizados com as inovações na arte de preparar comida. É adepto da cozinha contemporânea e gosta de inovar com ingredientes como o Dry Age, um filé maturado durante 45 dias em câmara fria. Ele conta que transita pelo fogão e as panelas desde os 10 anos de idade.

Comer, Beber e afins – Você foi parar na cozinha por vocação ou escolha?
Vinicius Belucci Sposito – Por vocação. Eu sempre gostei, mas tive resistência de minha família. Tentei fazer administração e Direito, mas não terminei. Acabei como cozinheiro mesmo. Já dei aula de gastronomia e enfim… é o que eu gosto.

Comer, Beber e afins – Aqui no seu cardápio diz “cozinha com releituras moderninhas”, O que são releituras moderninhas?

Vinicius – É pegar o clássico e colocar alguns insumos que são tendências. Nós vamos começar um cardápio novo e vamos trabalhar com cortes em dry age. O dry age é uma técnica de maturação. São produtos que já existiam e nós fazemos releituras com algo que está em evidência. O dry age de contra filé é feito com uma carne que tenha osso e gordura, e ela fica por 45 dias numa câmara fria para maturar com o tempo. O sabor fica mais concentrado e o filé fica bem saboroso.

Comer, Beber e afins – Essa técnica é uma inovação recente? Tem algo a ver com a novelle cuisine?

Vinicius – Não. Se formos pensar em novelle cuisine, isso vem do século XX. O dry age é uma técnica de maturação que vem de muito tempo e só agora começamos a utilizar mais devido à tecnologia. No passado sofria-se para fazer e hoje temos tecnologia como fornos moderníssimos e câmaras frias que possibilitam isso.

* Nouvelle cuisine significa: “Nova cozinha francesa” é uma maneira de cozinhar usada na cozinha francesa a partir da década de 1970. Em contraste com a cozinha clássica, a nouvelle cuisine é caracterizada pela leveza, delicadeza dos pratos e a ênfase na apresentação.

Comer, Beber e afins – Quais outras novidades você usa?
Vinicius – Cortes à base de angus. É um gado que existe há décadas e ninguém sabia que existia. Hoje em todo lugar os cortes de angus são tendência. Um filé de angus como acompanhamento de uma massa ou risoto nada mais é que uma releitura de pratos que sempre fizemos. Só estamos incorporando o angus nos tempos atuais.
Comer, Beber e afins – Há várias tendências na cozinha, como na moda?

Vinicius – Claro. Uma coisa moderninha também é a cozinha molecular, do chef Ferran Adriá, do El Buli, na Espanha. Mas é algo que já veio e já foi também. Hoje em dia, nós mais fazemos releituras do que fazemos pratos novos.

Comer, Beber e afins – Na preferência do brasileiro predomina a carne bovina?
Vinicius – Sim. Com certeza. Brasileiro é muito carnívoro, principalmente pelo clima. No nosso contexto a preferência é por carne e massas. Isso devido ao grande número de italianos que vieram para o Brasil. O italiano domina o Brasil do Sul ao Sudeste. O café na nossa região trouxe muitos italianos. Eu sou descendente de italianos.

 

Dr Toufic durante férias com a família, em Veneza: fã da boa cozinha

Toufic Anbar Neto é médico cirurgião gastroenterológico e proprietário da Faceres, a faculdade que oferece curso de Medicina. Além de clinicar, dar aulas e gerenciar a unidade de ensino, ele esquece os problemas numa confraria de… médicos. Eles se reúnem todos os sábados à tarde, no Clube dos Médicos para comer, beber e… falar de política e afins. “Cada vez que um dos amigos viaja, traz uma bebida do país ou região que visitou. A gente se reúne para colocar a conversa em dia e degustar comidas e bebidinhas”. Lá eles degustam vinhos, uísques, runs e até a poderosa cachaça. Toufic conta que aprecia um bom uísque cowboy (puro), mas que raramente bebe. “Só em ocasiões especiais”. Ele também cozinha. Adora comida árabe (motivos óbvios), mas seu prato preferido é mesmo a tradicional feijoada brasileira. “Sou doido por feijoada”, confessa. Outro hábito que revela é o de provar bebidas típicas quando viaja ao exterior. E indica: “Quando for à Itália experimente a Grapa, que é um licor de vinho. Ou a Sambuca, que é uma aguardente de uva”. Para comer sugere mesmo um bom bacalhau ou kibe. “Kibe é o meu preferido na cozinha árabe”.

 

Moises Camargo (de boné):” adoro cozinhar para os amigos”

Juntos para comer
Moisés Camargo é advogado já foi secretário de Desenvolvimento Econômico e Negócios de Turismo na gestão de 2012 a 2016 em Rio Preto. E também tem sua confraria. Não uma, mas várias. Num desses grupoe ele faz comidas para eventos beneficentes e em outro reúne vários casais para comer, beber e… falar de política. Está a frente do cardápio do Boteco do Bozó, criado ano passado. E prepara o cardápio para a festa de lançamento do CD do cantor Bozó, vocalista do grupo de samba Bozó e amigos, que anima a maioria das tardes de sábado Bar do Português. O lançamento será em outubro. Sua praia preferida é o Rio Preto Automóvel Clube, onde já foi diretor social. E convida para o almoço árabe, que está sendo preparado para este sábado (9), com música ao vivo. Não, ele não é Chef de cozinha.

 

Rio Preto já tem sua Bacio di Latte
Será inaugurada hoje (8), no Riopreto Shopping, a Bacio di Latte. A marca tem origem em Milão, na Itália, e já conta com 60 unidades no Brasil. Trata-se de um sorvete produzido com frutas frescas e sabor diferenciado. Na inauguração, durante todo o dia, será distribuído sorvete gratuito para os clientes do shopping.

O prefeito Edinho foi ao shopping e levou vários assessores

Turminha boa
Encontrei o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (PMDB) esta semana. “E aí tem degustado muitos vinhos?”, questionou ele, que gosta de uma taça quando está em família. O jornal DHoje reuniu uma turminha boa hein?”disse, em alusão a esta coluna e à de política (assinada pelos jornalistas Maria Helena Covre, Fabrício Carareto e Beck). “Eu estou suave, prefeito”. “Percebi”, devolveu. Edinho estava no Riopreto Shopping para a abertura da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, que fica até o dia 17 no local e tem apoio da Secretaria de Cultura.