Comer, Beber e Afins: Ambev é a mais premiada no mundial das cervejas de Londres

A Confraria Conebel faz vendas no varejo e oferece 150 rótulos AmBev

A AmBev acaba de ser eleita pelo terceiro ano consecutivo como a cervejaria mais premiada do mundo, no campeonato mundial das cervejas de Londres, o World Beer Awards. A novidade foi anunciada nesta segunda-feira (02) para distribuidores Ambev de todo Brasil.

A Colorado foi escolhida a melhor do mundo no mundial de Londres

A empresária Adriana Neves (nossa entrevistada nesta edição), comemora. Ela é a principal representante da marca na região Noroeste de São Paulo, através da Conebel, a empresa criada por seu pai.

A Brahma Extra Weiss figura como uma das premiadas do Mundial de Londres

“Esse prêmio na Inglaterra mostra que o Brasil está sintonizado com as tendências mundiais de produção da cerveja”.

O Mundial apontou as três melhores cervejas do Brasil no mundo, são elas: Brahma Extra Weiss, eleita a melhor do mundo no estilo Kristal Weiss, a Colorado Murica, eleita a melhor do mundo no estilo Cream Ale e a Skol Puro Malte (a grande novidade da AmBev neste ano) escolhida a melhor do Brasil no estilo internacional Lager.

A Skol puro malte é a eleita como a melhor do mundo no estilo internacional lager

Todas elas são distribuídas exclusivamente pela Conebel em 34 cidades da região de Rio Preto. A Conebel foi criada em 1967 pelos irmãos João, Cândido, Miguel, Luiz e Horácio Neves. Desde então a empresa vende produtos AmBev. Atualmente Adriana tem como sócio o empresário Joaquim Ricardo Matos, e juntos eles comandam 270 funcionários e uma estrutura que atende uma área de 10 mil e 400 quilômetros quadrados.

A Conebel é um dos destaques em vendas na AMBev e por muito tempo foi uma das 5 melhores revendas AmBev do Brasil. A empresa tem ainda vendas no varejo através das lojas Confraria Conebel e Brahma Express.

Adriana Neves conta na entrevista que segue sobre a novidade das cervejas artesanais e o mundo AmBev, que produz anualmente milhões de litros no Brasil, país que tem o pico de vendas de cervejas principalmente no verão.

Conversa com a empresária

Adriana Neves

Adriana Neves

Adriana Neves é uma empresária multifacetada. Desde cedo aprendeu com o pai a arregaçar as mangas e buscar soluções sem medo de trabalho. Tem formação em Administração, Direito e MBA pela Universidade AmBev e em Gestão empresarial pelo Ibemec/Insper. Sim, ela sabe muito sobre o universo cervejeiro e viaja o Brasil e o exterior para palestras e reuniões sobre mercado e tendências do ramo. É respeitada na AmBev. É referência como líder empresarial em nível nacional e em Rio Preto, onde já foi duas vezes presidente da Acirp – Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto. Ela conversou com a coluna sobre o prêmio AmBev e as novidades do universo cervejeiro.

Comer, Beber e afins em Rio Preto – A que podemos atribuir esse prêmio em Londres, por três anos seguidos?
Adriana Neves – Esse prêmio é resultado da preocupação que a companhia tem com a qualidade dos produtos e em oferecer novas experiências ao consumidor. Porque a partir do momento em que o consumidor começou a exigir ingredientes diferentes, a AmBev realmente se propôs a ir em busca da cerveja perfeita. A companhia é uma potência e tem os melhores mestres cervejeiros do mundo todo. Faz muita pesquisa de desenvolvimento de produtos, isso tudo resultou nesse prêmio.

Comer, Beber e afins – Estamos na era da cerveja artesanal?
Adriana – É uma moda, que eu acho que veio para ficar. Ainda representa muito pouco no mercado de cervejas porque elas são bem mais caras. Mais se fala de cerveja artesanal do que na verdade se bebe, por conta do custo. Mas, sim, acho que veio para ficar. Porque é interessante falar da origem, de harmonização como faz com vinho. Tem esse charme.

Comer, Beber e afins – Os sommeliers costumam festejar as artesanais belgas. Sua experiência como conhecedora do universo cervejeiro nos recomenda qual país produtor?
Adriana – Eu acho que não tem país e nem receita. O gostoso é poder experimentar de tudo. Hoje tem cerveja com café, com mel e tantos ingredientes, é superinteressante as pessoas poderem experimentar e ver o que é mais agradável ao seu paladar. A Bélgica faz muita cerveja de arroz e as pessoas amam. Acho que o que vale é toda essa novidade de sabores.

Comer, Beber e afins – O Brasil tem boas artesanais? O que podemos dizer da Colorado, surgida em Ribeirão e hoje adquirida pela AMbev?
Adriana – Sim. Nossos dois maiores cases são sem dúvida a Colorado e a Wals, que é de Belo Horizonte/MG, que tem os cervejeiros entre os melhores do mundo.

Comer, Beber e afins – Há alguma marca que consegue incomodar a rainha AMbev na região de Rio Preto?
Adriana – Toda concorrência incomoda, mas também faz bem. Mas, não se pode jogar um jogo diferente. A AmBev é uma empresa ética, que recolhe todos os impostos, assim como a Conebel. A carga tributária da cerveja é altíssima. O difícil é que tem concorrente que não participa desse jogo.

Comer, Beber e afins – Uma boa cerveja casa bem com…
Adriana – Casa bem com tudo: churrasco, queijo, massas, com bate-papo, com alegria, com felicidade, com amigos. É isso que a gente entende, que a gente entrega alegria.

Comer, Beber e afins – Qual sua expectativa de mercado para o verão que se aproxima?
Adriana – Hoje tivemos a primeira reunião para o plano do verão, pois a gente começa a se preparar em setembro porque a sazonalidade é gigante e com todas as marcas que temos hoje, agora são 150 rótulos, a parte logística está muito mais complexa. A estrutura do meu negócio está bem complexa. Mas, a gente gosta de desafios.

Comer, Beber e afins – Como estamos no cenário nacional da cerveja, o rio-pretense bebe bem?
Adriana – Grandes metrópoles como Belo Horizonte e Goiânia são campeãs de vendas. O que diferencia Rio Preto é que a cidade é movida por eventos e tem grandes restaurantes e bares, que movimentam a vida noturna. O per capita de Rio Preto é bom, as pessoas bebem bem, sim.

Por ELLEN LIMA 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS