Combate à raiva: Vacinação é a melhor proteção para o seu pet

A data oficial de combate à raiva no mundo é amanhã. Entre todas as zoonoses transmitidas pelos cães e gatos para humanos, a raiva é uma das mais temidas. Isso porque depois de ser transmitida a doença pode ser incurável, considerando que não existe medicamento com eficácia comprovada para o tratamento da raiva.

Por Rio Preto a vacinação já começou pela área rural e com bons índices. Até a última segunda-feira, 1.438 animais já tinham sido vacinados, sendo 1.282 cães e 156 gatos, o que representa 52,96% a mais do que os vacinados nas mesmas áreas no ano passado. A vacinação segue pela área rural até o dia 11 de outubro, e de 16 de outubro a 16 de novembro será feita pela área urbana.

Dados da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) no Mapa da Raiva no Brasil confirmam a ocorrência de raiva, neste ano, nas regiões Nordeste e no Centro-Oeste. “A raiva poderia ter sido erradicada no Brasil, mas animais e pessoas infectadas ainda representam uma dura realidade. Felizmente, devido à vacinação de cães e gatos, o número de casos diminuiu muito. Mas precisamos levá-lo a zero”, ressalta a médica veterinária Karin Botteon.

Abaixo as principais informações sobre a raiva e seus efeitos:
Quais são as causas da raiva?
Animais selvagens, como morcegos e gambás, quando contaminados, transmitem a doença para cães e gatos por meio de mordidas ou contato sanguíneo.
Quais são os sintomas nos animais?
A doença atinge o sistema nervoso central dos animais. A primeira mudança ocorre no comportamento. “O pet fica agitado, agressivo, anda sem rumo aparente e deixa de atender aos chamados do tutor”, explica Karin. “Também passa a salivar em excesso, deixa de comer e beber e pode sofrer de paralisia nos membros”.
Como a raiva é transmitida aos seres humanos?
Pela saliva. O animal agitado e agressivo pode morder e contaminar os seus próprios tutores. Em caso de qualquer suspeita, o animal deve ser isolado e mantido em observação, até que se tenha um diagnóstico.
O que fazer em caso de mordida de cão com suspeita de raiva?
O tutor deve lavar o local afetado com água e sabão. É uma forma de tentar impedir que os vírus contidos na saliva do animal infectado se espalhem. Em seguida deve procurar atendimento médico o mais rápido possível. Já o pet deve ser levado a um médico veterinário de confiança.
Quais são os sintomas nos humanos?
Febre, tontura, dor de cabeça, mal estar, formigamento, pontadas ou sensação de queimação no local da mordida. Depois de avançada, a raiva acometerá o sistema nervoso central, provocando dificuldade para deglutir, desidratação, paralisia e convulsão, evoluindo para coma e morte.
A partir de quando é possível vacinar o pet?
A partir do terceiro mês de vida. Depois, a vacinação deve ser realizada anualmente. “Esta é a maneira mais eficaz para proteger o pet e, consequentemente, reduzir ainda mais o número de casos de infecções no país”.

Raiva no mundo
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), mundialmente são registrados 55 mil casos em humanos todos os anos, a maioria na Ásia e África.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS