Com reajuste de 4,30%, pedágio fica mais caro R$ 7,80 na região

Aumento nos pedágios gera impacto em vários setores econômicos (Foto: Jaqueline BARROS)

Desde ontem, os valores dos pedágios das rodovias paulistas estão mais caros. De acordo com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), os valores foram reajustados em 4,66%, tendo como referência o índice relativo ao IPC-A acumulado entre junho de 2018 e maio de 2019. O ajuste faz parte da atualização contratual anual.

Em um país onde quase tudo é transportado por rodovias, o aumento no pedágio acaba atingindo inúmeros setores e impactando diretamente o consumidor.
Moradores de Rio Preto que costumam deixar a cidade com destino a Capital vão ter que desembolsar R$ 7,80 no trecho de ida e volta. O aumento foi de 4,3%, passando de R$ 177,40 para R$ 185,20.

Dhoje Interior

O professor Diogo Nogueira, que mora em Catanduva, disse que será preciso arcar com o aumento para não perder alunos. “Dou aulas particulares e, diante do cenário atual, prefiro arcar com o valor a mais do que perder os alunos que tenho hoje”, disse.

Já o vendedor Ygor Pulsoni relatou que existe queda nas vendas quando o valor do frete é repassado ao cliente. “Trabalhamos com um produto mais caro e qualquer custo adicional é um entrave na hora de fechar a negociação. Aqui temos que nos reinventar para atender o cliente e não deixar de faturar”, comentou.

Os valores mais altos estão no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), que liga a Baixada Santista à capital paulista. Os pedágios da Anchieta (Riacho Grande) e Imigrantes (Piratininga) serão reajustados para R$ 27,40. Atualmente, custa R$ 26,20 nestas praças de cobrança.

O posto instalado no Km 280 da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, na altura do Humaitá, em São Vicente, passará de R$ 7,20 para R$ 7,60. Já o pedágio da Rodovia Cônego Domênico Ragoni, na altura do Km 250, sai de R$ 12,20 para R$ 12,80.

A agência ressalta que, em razão de arredondamentos na fração dos centavos, também prevista nos contratos de concessão no Estado, haverá praças em que o porcentual final ficará abaixo do índice e outras em que ficará ligeiramente acima.

O reajuste vale para todas as estradas que estão sob contrato de 19 concessionárias espalhadas pelo estado.

Desde 1998, início das concessões em São Paulo, o reajuste é aplicado todo dia 1º de julho, data estipulada nos contratos das três primeiras etapas do Programa de Concessões Rodoviárias. Já nas duas concessões mais recentes, assinadas a partir de 2017, o reajuste será aplicado nas datas de aniversário dos contratos: Entrevias (6 de julho) e ViaPaulista (23 de novembro).

Como vem ocorrendo desde 2012, nos contratos da primeira fase, foi aplicado o menor índice entre o IPCA e o IGPM (índices originalmente previstos nesses contratos, que elevaria o reajuste para 7,64%).

Por Jaqueline BARROS