COLUNA SAÚDE: Por que fazer um ‘check-up’ cardiovascular?

A prevenção hoje constitui a melhor forma de evitar o surgimento de novas doenças e a progressão de suas complicações. Com a evolução dos métodos diagnósticos e terapêuticos, as doenças cardiovasculares podem ser detectadas precocemente, permitindo seu adequado tratamento clínico e/ou cirúrgico.

O primeiro passo para a manutenção da saúde das artérias e das veias do nosso corpo consiste no controle dos principais fatores de risco cardiovascular.

Dhoje Interior

A adoção de hábitos alimentares saudáveis, ricos em frutas, verduras, legumes e fibras e pobre em gorduras e açúcares são importantes para evitar a formação de placas de colesterol nas artérias. A inclusão de exercícios físicos aeróbicos moderados em nossa rotina semanal contribui para o fortalecimento da parede das artérias e das veias e auxilia no retorno do sangue em direção ao coração, melhorando as dores nas pernas, o inchaço e o estresse emocional.

O controle dos níveis pressóricos e dos níveis glicêmicos são fundamentais para evitar o desgaste do nosso sistema circulatório. Como não exprimem sintomas clínicos importantes em sua fase inicial, a hipertensão arterial sistêmica e o diabetes mellitus precisam ser diagnosticados precocemente, para que as suas complicações sejam evitadas.

Os estudos científicos já comprovaram e reiteram que a pressão elevada predispõe a rotura da parede da artéria e os altos níveis glicêmicos aceleram o depósito de placas de colesterol nas artérias coronárias, nas artérias cerebrais e nas artérias da perna.
Todo paciente hipertenso e diabético deve preocupar-se com a sua saúde cardiovascular e fazer acompanhamento médico periódico.

A obesidade, que hoje é considerada uma epidemia mundial, deve ser combatida. O sobrepeso e a obesidade agridem o sistema cardiovascular predispondo o paciente a desenvolver hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, infarto do miocárdio, acidente cardiovascular cerebral e comprometimento da circulação das pernas. No sistema venoso, o sobrepeso e a obesidade favorecem o surgimento das varizes dos membros inferiores.

Sintomas importantes como dor e edema nas pernas não podem ser menosprezados. A dor e o edema podem ser a manifestação clínica da trombose venosa profunda, da tromboflebite de veias superficiais e das varizes dos membros inferiores. A dor na panturrilha relacionada à prática de exercícios físicos, como caminhada e corrida, alertam o paciente e seu médico para um possível distúrbio na circulação de sangue nas artérias dos membros inferiores.

As feridas e úlceras que demoram para cicatrizar podem estar associadas a problemas circulatórios e ao diabetes mellitus. A falta de sensibilidade típica do paciente diabético predispõe a formação de fissuras e feridas nos pés, que constituem a base para o desenvolvimento de processos infecciosos graves associados a risco de vida e a perda do membro acometido. Todo paciente diabético, portanto, precisa estar atento à sua saúde cardiovascular, em especial à saúde dos seus pés.

Entretanto, muitas vezes é difícil para o paciente prevenir-se de tantas doenças associadas ao sistema circulatório. Por isso, é de extrema importância manter acompanhamento clínico periódico com profissionais dedicados à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças que acometem as artérias e as veias do corpo.

A história clínica detalhada acompanhada do exame físico minucioso dos principais segmentos arteriais e venosos do corpo permitem a adequada avaliação da nossa saúde cardiovascular. Exames de rotina, como eletrocardiograma, exames laboratoriais e ultrassom Doppler das artérias e veias constituem os principais exames do check-up cardiovascular, fundamental para a manutenção da saúde cardiovascular.

Prof. Dr. Edmo Atique Gabriel – Cardiologista com especialização em Cirurgia Cardiovascular, orientador de Nutrologia e Longevidade e coordenador da Faculdade de Medicina da Unilago. www.drgabrielcardio.com.br