Coluna do Beck: ‘Maria do Bairro’ perde

Bill de Blasio x Jair Bolsonaro: treta entre prefeito de Nova York e presidente brasileiro tem audiência no mundo todo

Olar, brazeeel! Sabe aquela máxima “nuca te vi sempre te odiei?” Então, ela pode muito bem ser aplicada ao relacionamento, quédizê, à falta de relacionamento entre Bill de Blasio, prefeito de Nova York, e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil.

Novelão mexicano

Os dois políticos, pra você que perdeu o bonde das tretas do fim de semana, vêm trocando farpas e mensagens virtuais desde sábado (4), quando de Blasio comemorou no Twitter o cancelamento da viagem do brasileiro a Nova York.

‘Ele fugiu’

“Jair Bolsonaro acabou de aprender, da maneira mais difícil, que os nova iorquinos não fecham os olhos para opressão. Nós denunciamos sua intolerância. Ele fugiu. Não é uma surpresa – os valentões não aguentam um soco. Bolsonaro, seu ódio não é bem-vindo aqui”, postou o prefeito logo após Bolsonaro desistir de participar de um evento na cidade americana, em 14 de maio, no qual seria homenageado como a Personalidade do Ano de 2019 da Câmara de Comércio Brasil-EUA.

Audiência global

O tweet do prefeito americano, claro, mobilizou opositores e defensores do presidente brasileiro, desencadeando aquela “surra de comentários” de ambas as partes. A treta também ecoou nas capas de jornais e sites de notícias de todo o mundo.

Chateado

Em nota publicada pelo o porta-voz do governo, general Otávio do Rêgo Barros, a decisão de Bolsonaro em não comparecer à premiação teria raiz magoada nos “ataques deliberados” do prefeito americano.

Nem NY nem Miami

“Em face da resistência e dos ataques deliberados do prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações no evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade. Em função disso, e consultados vários setores do governo, o presidente Bolsonaro decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami”, informou a nota.

Primeiro round

Mais cedo, em abril, Bill de Blasio também usou o Twitter para agradecer e celebrar a decisão do Museu Americano de História Natural, que hospedaria, na ocasião, um evento de premiação ao presidente Jair Bolsonaro.

Prato indigesto

Na mensagem, o democrata americano classificava Bolsonaro como um “homem perigoso”, cujos “racismo, homofobia e decisões perigosas terão um devastante impacto no futuro de nosso planeta”. De lá pra cá, como podemos perceber, o caldo só engrossou. E ninguém vai querer provar dessa sopa. Ou vai?

Por Beck

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS