Coluna do Beck: #Chateado

Simulação de como ficaria a icônica “Estátua da Liberdade” na loja Havan de Rio Preto: seria o caso de orarmos por esta graça não alcançada? (Arte: Lucas Albano)

Olar, brazeeel! O povo quer saber: por que a unidade rio-pretense da Havan é a única dos Alpes Canavieiros sem a icônica “Estátua da Liberdade”, marca registrada das lojas em todo o País? Neste fim de semana, por exemplo, até Votuporanga, aqui ao lado, ganhou sua “réplica” e a gente continua a ver estátuas, quédizê, a não ver estátuas… Sim, azamigas estão tudo hashtag chateadas. Tanto que, vira e mexe, alguém para em frente à loja de São Carlos, na Rodovia Washington Luís, para fazer uma selfie com a estátua ao fundo. Pode pesquisar.
Verificando status…
Nesse ritmo de dúvidas e anseios, aproveitei as brechas entre um evento e outro do fim de semana para ir atrás da verdade e checar quais seriam os reais motivos que atravancam a instalação do ‘monumento’ em Rio Preto. Encontrei sete deles, devidamente elencados abaixo. Gira e aceita.
Seu nome não está na lista
1 – De acordo com o modus operandi da balada rio-pretense, onde todos têm nome na lista e são VIPs, a Estátua da Liberdade nunca caberia num camarote open-bar. Logo, não seria aceita como VIP.
Viva a capivara!
2 – Ambientalistas, sociólogos e militantes virtuais ligados ao Movimento de Apoio às Capivaras não aceitariam outro símbolo para a cidade, senão o do roedor herbívoro que habita e trafega tranquilamente pelas ruas da Capital dos Alpes Canavieiros.
Muito quente
3 – O calor rio-pretense não seria compatível esteticamente com um monumento tão grandioso, cuja matriz e inspiração arquitetônica vêm de Nova York, onde a neve chega a 80 centímetros durante o inverno. Pausa para enxugar o suor…
A ideia foi minha!
4 – Os vereadores da cidade se digladiariam a fim de saber quem seria o primeiro a criar projeto de lei para diplomar a Estátua como Cidadã Honorária Rio-Pretense e dar a ela uma avenida, praça ou rua em homenagem.
Comoção
5 – Os populares, esses mesmos que rogam pela instalação do ícone, transformariam a Avenida José Munia, onde fica a loja, em ambiente mensal de romaria. Tem gente que acha que a estátua é santa. Pode reparar…
#Revolts
6 – Os pichadores noturnos não perdoariam o símbolo do imperialismo americano e escreveriam na estátua: “Você não nos representa! Estátua golpista, fora!” Sem falar que os ETs também poderiam deixar de nos visitar por conta do “monumento”…
Quem é ela?
7 – Algumas blogueiras de moda e “infruencer digitais” ficariam descontentes ao saber que a estátua teria mais seguidores que elas no Instagram e voltariam a comprar fãs e likes na rede social. Sem falar nos altos índices de stories gravados diariamente com a estátua ao fundo. Por esta graça não alcançada, oremos…

Por Beck

Dhoje Interior