Cobertura vacinal da febre amarela ultrapassa 80% em Rio Preto

Neste ano 58.803 doses da vacina contra a febre amarela foram aplicadas em Rio Preto. A cobertura vacinal pelo município ultrapassou os 80% e é visto de forma positiva. Atualmente há cerca de sete mil doses disponíveis de forma gratuita nas 27 unidades de saúde da cidade, que é aplicada em dose única.

Qualquer pessoa com idade acima de nove meses que não ainda não tenha tomado a vacina, pode se imunizar. Não pode tomar a vacina quem tenha alergia a ovo; está fazendo tratamento com imunossupressores (para HIV ou câncer, por exemplo); grávidas e mulheres que estão amamentando bebês com menos de seis meses.

A gerente de imunização de Rio Preto, Michela Barcellos, destaca a importância da vacinação contra a febre amarela. “É importante que a população tome a vacina porque Rio Preto é uma área de risco para febre amarela. Existe uma área silvestre no município, onde o homem pode se infectar. Este ano, houve um caso de macaco positivo para a doença, em janeiro, o que indica que o vírus circula no município. Por isso, a importância da vacinação. Recomendamos ainda que a pessoa tome a vacina 10 dias antes de vir a Rio Preto”, afirmou. A rede particular de saúde também disponibiliza a vacina a preços que variam de R$ 120 à R$ 150 e nos últimos 12 meses foram aplicadas 528 doses.

O Brasil não registra a transmissão urbana da febre amarela, o tipo mais grave, desde 1942, por meio do mosquito Aedes aegypti. Segundo a Vigilância Epidemiológica de Rio Preto, não há registro de febre amarela em humanos no município. Com relação ao macaco encontrado contaminado no começo do ano pela cidade, é importante ressaltar que o animal não transmite a doença a humanos. Quem transmite o vírus no meio urbano são fêmeas de mosquitos Aedes aegypti, sendo que uma fêmea de mosquito infectada com o vírus, ao picar um macaco, acaba transmitindo o vírus ao animal, que adoece. E as fêmeas de mosquitos não infectadas quando picam um macaco doente, adquirem o vírus e passam a transmiti-lo.

Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, deve informar o mais rapidamente ao serviço de saúde do município ou do estado onde vive ou pelo número de telefone 136. Além disso, é possível denunciar a matança ou maus tratos de macacos pela Linha Verde do Ibama (0800 61 8080). Matar animais é considerado crime ambiental pelo Art. 29 da Lei n° 9.605/98 e pode gerar pena de seis meses a um ano de detenção, mais multa.

 

Por Priscila Carvalho