Clientes movimentam o comércio atrás de descontos da Black Friday

Black Friday causou tumulto nas lojas da área central

A Black Friday acontece tradicionalmente nos Estados Unidos no dia seguinte ao feriado de Ação de Graças. O evento, muito popular em lojas físicas no país, marca o momento em que varejistas norte-americanos fazem promoções com descontos maiores do que os do ano todo.

No Brasil, não faz sentido comemorar a Ação de Graças, já que se trata de um evento que simboliza a colonização britânica da América do Norte, mas a Black Friday definitivamente caiu no gosto do brasileiro. Desde 2010, quando aconteceu a primeira Black Friday no país, o número de lojas que resolveu aderir à moda só aumentou.

Dhoje Interior

Porém, todos os consumidores esperam essa data para aproveitarem o décimo terceiro e irem às compras.

Vitória Raquel, 21 anos, funcionária da Cacau show, disse que após a franquia divulgar um comercial na TV, muitos clientes foram até a loja. ‘’Há uma oferta do panetone que estava 49,90 e hoje está saindo por 29,90, então vendemos vários’’, salientou.

Para a gerente comercial da loja Magazine Rodrigues, Andreza Correa Rodrigues, o movimento aumentou. “Os clientes vem atrás das ofertas mesmo. Eles entram na loja, olham as peças da promoção e acabam comprando’’, afirmou.

De acordo com ela, há algumas peças na oferta que vão continuar após a Black Friday, porém até durarem os estoques.

“Hoje (ontem), na Black Friday, o movimento graças a Deus está ótimo. Neste ano está melhor do que o ano passado’’, destacou a operadora de caixa da loja Mix Biju, Lisandra Almeida.

Para o diretor de Comércio da Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto (Acirp), Walter Carrazzone Junior, a data é vista com bons olhos para o setor varejista, mas sem grandes especulações quanto ao incremento monetário local.

“A Black Friday cria uma atmosfera de otimismo entre a classe empresarial porque existe uma parcela considerável de consumidores que se organiza para pechinchar e fazer a compra efetivamente nesse período. De forma geral, a data tem um grande apelo no comércio eletrônico a nível internacional, o que faz com que o montante investido diretamente na economia rio-pretense seja mitigado. A vantagem do varejo físico local é que o consumidor tem a experiência de compra, anulada, por sua vez, no universo digital. Nas lojas é possível analisar o item de forma mais minuciosa até a tomada de decisão da compra”, frisou.

Carrazone defendeu que, “independente de como a pessoa está pensando em investir nessa data, a ressalva é que se comprove a oferta prometida. O comerciante tem por obrigação cumprir com a oferta de desconto justo e real. Ao consumidor, resta aproveitar essa ótima oportunidade de adquirir um produto ou serviço com valor, certamente, não encontrado em outra época do ano”.

Segundo Ricardo Arroyo, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Rio Preto, desde o início do mês de novembro, tanto o varejo físico, quanto o online, já estavam com campanhas de divulgações e promoções.

“Estima-se que o comércio eletrônico fature 7% a mais em relação ao mesmo período de 2018, enquanto o tradicional tenha alta de 7,4%, exceto no segmento de bens duráveis, como eletrodomésticos e eletrônicos, que devem registrar elevação de 5%. A data se tornou a segunda melhor em vendas, após o Natal’’, informou Arroyo.

A diarista Regina Célia ressaltou que a Black ajuda muito, porém é preciso fazer algumas pesquisas antes de ir às compras. “Eu sempre chego ao centro umas 7h da manhã, pois em diversas lojas há uma fila enorme, então quanto mais cedo chego, mais coisas consigo comprar”, compartilhou.

“Quando a data está se aproximando, me organizo para chegar bem cedo nas lojas e aproveitar o décimo terceiro. Hoje (ontem) comprei duas televisões, um celular e umas roupas para minha esposa. O preço realmente está bom, porém precisamos ter um controle, para não gastarmos sem precisar”, destacou o atendente Luciano Souza, 35 anos.

Já a aposentada Emerlinda Costa, 79 anos, contou que guardou a aposentadoria para aproveitar a promoção. ‘’Todos os anos, nesta data, eu venho até o centro fazer compras, principalmente nas lojas Americanas, por exemplo, comprei um ar condicionado, pois achei que o valor estava compensando sim’’, comentou.

A estudante Bianca Cestito, 23 anos, falou que sempre faz pesquisas antes de ir às compras. “Para quem realmente pesquisou meses antes, sabe o que vale a pena comprar, porém são pouquíssimas coisas que compensam’’, relatou.

Alexia Carvalho, 20 anos, disse que sempre vai as compras neste dia. “Na internet o desconto só é bom se for pago pelo cartão. Então optei por ir pessoalmente comprar, à vista’’, ponderou.

Durante a tarde, no centro, policiais militares estiverem presentes na entrada de algumas lojas, devido ao tumulto que a Black gerou.

Por Verônica MAESTRELLA