Cid Moreira vem a Rio Preto pela primeira vez

Cid Moreira - O ícone do jornalismo brasileiro durante coletiva de imprensa na manhã de ontem, em Rio Preto.

Cid Moreira com sua inconfundível voz é capaz de proporcionar a muitos que lerem este “Boa Noite”, de fazê-lo mentalmente com a famosa voz grave do jornalista, que esteve ontem pela primeira vez em Rio Preto para participar de evento inédito pela cidade. Durante a manhã, ele conversou com jornalistas em uma coletiva de imprensa e a noite se apresentou no evento ‘Cid Moreira em A Grande Esperança”, realizado no Colégio Adventista.

Prestes a completar 90 anos no próximo dia 29 de setembro, Cid Moreira iniciou a coletiva esclarecendo de forma descontraída um equívoco com o seu nome e afirmando que Cid é o nome próprio e não apelido. “Foi veiculado que o meu nome é Alcides Alves de Moreira. Saiu na imprensa em Presidente Prudente e achei muito engraçado, porque me chamam de Cidão, Cidoca. Mas o meu nome realmente, a minha mãe leu o livro e inspirada colocou o nome daquele espanhol El Cid, então não tem nada de Alcides”, comentou o jornalista.

Questionado pela equipe do Jornal DHoje sobre para o quê ou qual situação atual ele diria o próprio famoso bordão “Isso é um espanto”, o jornalista que não faz comentários políticos nas coletivas, desconversou, riu e afirmou que tudo que vivemos são fases. “Eu classifico que a vida de todos nós, principalmente a minha, são fases. Tanto que como eu disse, eu tive a fase muito boa no rádio e foram fases assim, sensacionais na época áurea do rádio, em que os programas de auditório a gente era obrigado a usar smoking e as pessoas que iam assistir iam vestidas de acordo”, disse.

As citadas fases de Cid são: rádio – em que ainda atua hoje em dia; TV – que permanece como contratado do programa global Fantástico; cinema – em que gravou um jornal de cinema; e internet – com canal no Youtube e página no Facebook. Por falar em internet, de acordo com levantamento feito pela assessoria do jornalista, o nome dele já foi citado 442 milhões de vezes de forma positiva na rede mundial de computadores, fato que fez com que Cid finalizasse com o famoso bordão: “Isso é um espanto!”.

Conhecido por estar à frente da bancada do Jornal Nacional, Cid entrou para o Guiness Book sendo recordista como o âncora que mais tempo esteve à frente de um mesmo telejornal, sendo 27 anos no JN. Também é reconhecido pela gravação feita em 2001, em áudio da Bíblia cristã na íntegra. Com isso, o jornalista respondeu qual fato bíblico, se pudesse, que gostaria de ter noticiado no JN. “Jesus acaba de voltar e está entre nós”, concluiu Cid Moreira.

Carreira de Cid Moreira

Cid começou na rádio Difusora de Taubaté, como contador. Como sua voz era muito bonita e grave, foi convidado para ser locutor. Narrou documentários para cinema, meio no qual também apresentou o noticiário semanal Canal 100 produzido por Carlos Niemeyer. Em 1955, atuou como ator no filme Angu de caroço, voltando ao cargo de narrador em 1958 no filme Traficantes do crime.

Apresentou entre 1969 e 1996 o Jornal Nacional, sendo um recordista como um âncora que mais tempo esteve à frente de um mesmo telejornal. A estreia do Jornal Nacional em 1° de setembro de 1969 foi com o locutor Hilton Gomes. Hoje Cid, narra matérias para o programa global Fantástico.

Cid é célebre também pela gravação, feita em 2001, em áudio da Bíblia cristã na íntegra e em linguagem atual. Os CDs com sua locução alçaram um enorme sucesso de vendas, chegando hoje a 33 milhões de cópias.

Aos 87 anos e 70 de carreira, Cid publicou o livro Boa Noite. O nome de sua biografia deve-se à sua frase “Boa Noite!”, com a qual encerrava o Jornal Nacional.
Atualmente Cid estuda os poemas de grandes escritores brasileiros e pretende lançar no próximo ano uma seleção desses poemas: “para aprender a gostar de poemas”.

 

Por Priscila CARVALHO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS