Cesare Battisti é detido pela PF ao tentar atravessar fronteira para Bolívia

Cesare Battisti durante entrevista exclusiva ao DHoje Interior na época em que morou em Rio Preto (Foto: Cláudio Lahos)

O ativista italiano Cesare Battisti foi detido pela Polícia Federal ontem, em Corumbá, Mato Grosso do Sul. Ele estava tentando atravessar a fronteira para a Bolívia.
A PF informou que Battisti não está preso. Segundo a PF, “agentes da Delegacia de Corumbá estão averiguando a situação em que Battisti se encontrava na região de fronteira”

Em 27 de setembro, os advogados de Cesare Battisti entraram com um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para barrar a possibilidade de extradição, deportação ou expulsão pelo presidente da República. O relator é o ministro Luiz Fux. A informação sobre o habeas foi divulgada pelo STF.

Battisti teve sua extradição pedida pela Itália pela condenação por quatro homicídios. Em 2010, depois de o Supremo autorizar a extradição e ressalvar que o deferimento não vincula o Poder Executivo, o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no último dia de seu mandato, assinou decreto no qual negou ao governo italiano o pedido de extradição do ex-ativista

Em 2011, o Supremo arquivou uma Reclamação ajuizada pelo governo da Itália contra o ato de Lula, e determinou a soltura do italiano.

Em entrevista exclusiva ao DHoje Interior no dia 23 de fevereiro, Battisti estava em Rio Preto aguardando decisão da Justiça. Em entrevista na época ele afirmou ser inocente. “Vejam os autos. Não tem nenhuma prova contra mim, estamos falando dos anos 70, que no mesmo período havia uma guerrilha aqui no Brasil que agora está tudo certo”, justificou o italiano.

A defesa de Battisti sustenta que, desde então, têm havido “várias tentativas ilegais” de remetê-lo para o exterior por meio de outros mecanismos, como a expulsão e a deportação. Desde 2016, com as mudanças ocorridas no Poder Executivo, os advogados afirmam que há notícias de que o governo italiano pretende intensificar as pressões sobre o governo brasileiro para obter a extradição.

Fonte: Redação jornal DHoje Interior 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS