CEI do transporte coletivo urbano encontra mais irregularidades

Presidente da Comissão Especial de Inquérito, Anderson Branco (PR) diz que nos depoimentos do atual secretário do Trânsito, Marcos Apóstolo, e da presidente da Emurb, Vânia Pelegrini Bucater, novas irregularidades foram levantadas, como a segurança do terminal urbano.

Em mais uma rodada de oitivas da Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga irregularidades no transporte coletivo urbano de Rio Preto, realizada ontem, os vereadores que compõe a comissão, Anderson Branco (PR), presidente, Jean Dornelas (PRB), relator, e Celso Luiz de Oliveira, o Peixão, (PSB), membro, descobriram novas irregularidades através dos depoimentos do atual secretário do Trânsito, Marcos Apóstolo, e da presidente da Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo), Vânia Pelegrini Bucater.

Segundo Anderson Branco, os depoimentos foram positivos para o andamento da CEI. “Trouxeram mais algumas irregularidades, como, por exemplo, a questão da segurança. O que acabe a Secretaria de Trânsito. A gente não acha correto o servidor estar na circular Santa Luzia e Itamarati, no nosso entendimento os cuidados e a responsabilidade devem ser da Secretaria de Trânsito”, afirmou o presidente da comissão.

“No terminal, falta à presença da Guarda municipal, que cabe a Secretaria de Trânsito. A vigilância está vaga, fraca”, concluiu Anderson Branco, que, entre outros assuntos, também questionou Marcos Apóstolo e Vânia Pelegrini sobre o tráfico de drogas feiro por menores de idade no local, problemas estruturais, comércio ambulante, limpeza e manutenção do terminal.

“Segundo a presidente, a Emurb só pode disponibilizar dois vigilantes por terminal. Isso é um absurdo. Existe a ausência do poder público municipal. Isso não é suficiente. O terminal é de responsabilidade do prefeito e das empresas contratadas”, explicou o vereador.
Sem previsão de novas convocações, Anderson Branco afirma que tudo o que for levantado na CEI será entregue para o prefeito. “Vamos falar com o prefeito. Provavelmente vamos manifestar amanhã (hoje) na Câmara. E, ao final, encaminhar para o Ministério Público”, ressaltou.

Os próximos passos da CEI do transporte público serão conhecer o sistema que recolhe o subsídio e verificar o servidor da Circular e da Itamarati. “Vamos a campo, ver de perto, ver quem faz. São apenas quatro fiscais de postura para tudo isso”, finalizou Anderson, que tem até o dia 28 de agosto para finalizar o relatório final da CEI.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS