Cartório do Futuro deve ser instalado ainda neste ano

Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, Desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças

Em visita ao Fórum Criminal de Rio Preto, o Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, Desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, se reuniu pela manhã de ontem com autoridades políticas e logo após em uma audiência, no Salão do Júri, com judiciários da comarca. Nas duas situações o encontro foi a portas fechadas para a imprensa.

Em entrevista ao DHoje Interior antes da audiência, o corregedor afirmou que até o final do ano deva ser instalada na cidade a Unidade de Processamento Digital (UPJ), conhecida como o ‘Cartório do Futuro’. Com relação ao novo Fórum rio-pretense, Calças afirmou que apenas aguardam a conclusão de instalações técnicas, como serviço de internet, para que a mudança seja feita, mas não definiu nenhuma data. “Estamos trabalhando agora para a instalação do Cartório do Futuro, esse é o grande pulo de São José do Rio Preto. Nós vamos ter aqui a UPJ, que vai trazer um salto de qualidade para nossos comarcanos. Vamos ter na sede da região administrativa, o primeiro Cartório do Futuro. Já o nosso Fórum está pronto e só falta a ligação para internet e o sistema. Isso é coisa técnica, que demanda tempo e então estamos aguardando que os técnicos solucionem os últimos problemas”, disse.

Com a instalação do Cartório do Futuro pela cidade, o corregedor anunciou que deve haver mais contratações, mas ressaltou que a tendência do processo virtual é diminuir a mão de obra física. “Isso sempre gera contratações, mas tem um detalhe que é curioso; porque na medida em que nós usamos o processo virtual, a tendência é diminuir a necessidade de mão de obra física. No futuro nós queremos ter menos pessoal, mas pessoal mais qualificado”, ressaltou.

Com a meta de percorrer as 10 Regiões Administrativas Judiciárias do Estado (RAJ) durante o biênio administrativo, Calças afirmou que deixou Rio Preto por uma das últimas a serem visitadas, devido à questão afetiva, por ser onde o profissional iniciou a carreira aos 25 anos. “Deixei Rio Preto mais para o final por questões afetivas, comecei a minha carreira aqui como juiz substituto. Tenho um afeto muito grande pela comarca que me acolheu. Agora só faltam duas para visitar: São José dos Campos e Sorocaba”.
Com relação às próximas eleições para a presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo, que acontecem no final deste ano, o corregedor confirmou ser um dos candidatos que vão concorrer ao cargo.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS