CAPIVARA PERGUNTA: Como resolver o impasse entre governo federal e caminhoneiros que atirou o Brasil ao caos?

Desmobilização pacífica

Os caminhoneiros têm o direito de se manifestar, pois passam por dificuldades com a oscilação dos preços do diesel e de outros itens que pesam no frete. Mas o bloqueio das estradas por tempo prolongado está causando sérios prejuízos à população, com desabastecimento de combustíveis e alimentos em várias regiões do país, e prejudicando a economia do Brasil. Infelizmente, ao longo dos anos, o Brasil sucateou ferrovias, investiu pouco em hidrovias e ficou dependente do modal rodoviário. Em casos como esse o Brasil para. Foi importante o diálogo do governo federal com setores da categoria que concordaram com a suspensão temporária dos bloqueios. É hora de prevalecer o bom senso para evitar confrontos. Torço pela desmobilização pacífica dos grupos que ainda resistem em bloquear as rodovias, para que a rotina dos brasileiros seja restabelecida.
Edinho Araújo (MDB), prefeito de Rio Preto

Redução de impostos

A redução de impostos incidentes sobre combustíveis, proposta pelo Congresso, é a solução para o País sair da crise no setor. A Câmara mostrou o caminho ao votar na última quarta-feira a proposta que reduz o PIS-Confins e a isenção da CIDE – Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico. Demos uma resposta rápida e certeira, mostrando para a sociedade que estamos atentos para essa grave questão. Na próxima semana (dia 30), uma comissão geral vai debater em detalhes a redução de impostos, para que a solução definitiva se concretize.
Rodrigo Garcia (DEM), deputado federal

Fim dos reajustes abusivos

Acabar com os reajustes abusivos, utilizar toda a capacidade de refino nacional, fiscalizar e regulamentar distribuidoras e postos e mudar a política tributária, diminuindo o impacto sobre o consumo e a produção. Os preços dos combustíveis não podem continuar vinculados ao dólar e a Petrobras deve servir ao povo brasileiro, não a interesses internacionais ou a alguns acionistas.
João Paulo Rillo (PSOL), deputado estadual

Governo não pode se omitir

Os caminhoneiros fazem uma manifestação legítima. Mas, devem observar o funcionamento de serviços essenciais. Buscam solução para um problema que se arrasta há anos: o abusivo preço dos combustíveis. O governo não pode se omitir. Precisa buscar uma saída negociada o mais rápido possível. Um novo cálculo na composição dos preços é fundamental. Aliviar a carga de tributos pode ser uma resposta. Na minha opinião, a cobrança fácil de tributos sobre combustíveis não deve servir para cobrir a incompetência na arrecadação por outros meios.
Vaz de Lima (PSDB), deputado estadual

Diálogo respeitoso

É preciso um diálogo respeitoso entre todas as partes. Essa situação foi provocada porque o governo federal, por meio da Petrobras, passou a fazer aumentos quase que diários dos combustíveis, tirando qualquer previsibilidade dos preços. Há a necessidade de uma conversa visando negociação ampla em que a Petrobras faça sua parte e o governo precisa ser mais seletivo ao definir os interlocutores neste processo. O governo não trabalhou preventivamente diante dos sinais de insatisfação e, nesse momento, carece de confiança das lideranças e da população como um todo. Das crises que vivemos hoje, a maior é a de confiança.
Orlando Bolçone (PSB), deputado estadual

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS