RIO PRETO: Concurseiros denunciam supostas irregularidades

Câmara recebeu reclamações em Tribuna Livre para falar sobre problemas em concurso

A sessão da Câmara de Rio Preto foi bastante movimentada durante a Tribuna Livre quando cidadãos foram reclamar das dificuldades em concluir o cadastro para prestar o concurso público para conselheiros tutelares no município.

As reclamações eram inúmeras e candidatos que tiveram problemas, por exemplo, em anexar documentos no site da Vunesp, responsável pelo edital e aplicação da prova, como a candidata Cristiane de Fátima, foram até a Câmara para pedir aos vereadores que intervissem na realização do concurso e/ou nos problemas enfrentados pela maioria dos candidatos.

Dhoje Interior

“Tenho conversas salvas, e-mails, telefonemas que comprovam que houve uma procura para tentar resolver o problema, mas parece que não há interesse em nos ajudar”, disse a candidata.

Segundo os reclamantes, são mais de 1,5 mil inscritos, mas somente 89 pessoas estão habilitadas a fazer a prova que acontece no próximo domingo, dia 30.

Os vereadores entraram com tudo na questão e não pouparam críticas à Vunesp. Jean Dornelas (Sem Partido), por exemplo, chegou a sugerir que a Casa de Leis faça uma indicação ao prefeito Edinho Araújo (MDB) para que elimine a parceria com a Vunesp na aplicação dos concursos. “Cheia de problemas, só traz dor de cabeça. Eu nunca chamaria essa instituição para nada”, esbravejou.

“Se o problema são documentos que não foram anexados, seja por problemas na internet, seja por qualquer outro motivo, que seja feita a prova e que apresentem depois esses documentos e que sejam analisados por uma comissão”, disse o vereador Marco Rillo (PT).

O vereador coronel Jean Charles (MDB) chegou a sugerir que os candidatos entrem na justiça para conseguir respostas mais concretas diante dos problemas enfrentados. “Quem quiser garantir que isso não vai ficar só na conversa, deve procurar a Justiça”, declarou.

Os vereadores Marco Rillo e Jorge Menezes (PTB) foram além e praticamente convocaram o prefeito Edinho para intervir e tentar resolver o problema dos concursados. “Se ele – prefeito Edinho – quiser, ele faz. Não tem essa de que não pode. Pode sim falar com os responsáveis e tentar arrumar isso daí”, concluiu Menezes.

Por Ygor Andrade