Campanha de Política de Atenção à Gestante é lançada em Rio Preto

Políticos e autoridades durante a solenidade de lançamento da campanha

Diante dos acontecimentos envolvendo a morte de bebês e recém-nascidos nos últimos 45 dias em Rio Preto, houve na manhã de hoje (15), na Câmara Municipal da cidade o lançamento da Política de Atenção à Gestante, que com o apoio profissional visa uma decisão amadurecida da mãe sobre permanecer ou não com a criança, numa tentativa de evitar as barbáries ocorridas nos últimos dias, como o caso Emanuelle, em que a mãe assumiu ter matado a filha de um ano ou então o caso em que a mãe degolou o filho recém-nascido, no início do mês de fevereiro deste ano.

Estiveram reunidos na solenidade políticos, técnicos do poder judiciário e municipal, representantes da secretaria de assistência social, a delegada Dálice Ceron da Delegacia da Mulher e o juiz Evandro Pelarin, da Vara da Infância e Juventude.

O programa é uma ação elaborada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e que agora se inicia em Rio Preto. O cronograma inclui eventos de sensibilização e formação de grupos de trabalho, encontro com gestores e coordenadores das políticas públicas e representantes dos órgãos de direitos da criança e do adolescente, além de profissionais das áreas de saúde e assistência, conselhos tutelares e conselho municipal da criança e do adolescente. A programação segue até o mês de outubro, quando serão apresentados os resultados dos trabalhos realizados, já a partir desta semana.

O juiz da Vara da Infância e Juventude, Evandro Pelarin, define como algo fundamental para o munícipio esta ação. “Precisamos ter um acompanhamento específico para essa gestante que manifesta o desejo que não quer ter essa criança, para que ela seja acompanhada e não seja penalizada. Pra que isso não signifique um estímulo para a entrega dessa criança e seja uma decisão amadurecida”, disse Pelarin.

A ação também visa com o apoio à gestante, evitar casos de abortos clandestinos, tráfico de recém-nascidos, infanticídio e a entrega indevida de crianças a pessoas que não estão no cadastro nacional de adoção.

O presidente da Câmara dos Vereadores, Cel. Jean Charles, analisa que o programa trará reflexos positivos, num trabalho conjunto que demonstra estar atento as questões que envolvem poder e dever, em busca do bem comum. “É um motivo de honra a Câmara Municipal receber esse tipo de discussão e o lançamento dessa campanha para atingir as famílias, as pessoas, na defesa e luta pela vida”, concluiu o vereador.

Por Priscila CARVALHO

 

SEM COMENTÁRIOS