Caminhoneiros mantêm greve em Rio Preto e reprovam declarações de Temer

Caminhoneiros continuam em greve, mas, diferente da última sexta-feira, não fizeram carreata nesta segunda-feira

Mesmo após o presidente Michel Temer ceder e anunciar queda de R$ 0,46 no litro do diesel por dois meses, os caminhoneiros de Rio Preto mantiveram a greve, que chegou ao oitavo dia, nesta segunda-feira (28) e criticaram as declarações do presidente.

“A gente esperava mais. Ainda falta muita coisa. Se pegar uma nota de um mês atrás essa redução proposta é o preço que estava. Então, quem dá a garantia que daqui a dois meses não volta tudo como está?”, questionou Rogério Marcos Moraes, presidente do sindicato dos motoristas de Rio Preto, que também falou sobre pontos que poderiam ser alterados.

“É só descontar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), diminuir o pedágio e colocar o óleo diesel no mínimo a R$ 2,20. Já ajudaria bastante. Por que não fixa o pedágio? É um absurdo o que pagamos. E sempre é variável, principalmente no pedágio de Santos. Ali não tem como desviar rota. É R$ 176, R$ 200, um absurdo o que pagamos. Assim como o óleo diesel, que no começo dos manifestos estava R$3,82”, concluiu.

Um caminhoneiro manifestante, que não quis se identificar, também reprovou as propostas do presidente e cobrou maior apoio da população. “Indignação total. Achei, particularmente, que haveria alguma mudança, mas pelo que estamos vendo está complicado. A população não está apoiando e associaram isso a o caminhoneiro, mas isso não é simplesmente só do caminhoneiro. Isso é todo o cidadão. Acho que todo mundo sofre com impostos e com aumento. Então, a falta de apoio é duro, mas esperamos ainda que se toma alguma providência”, disse.

Já Cláudio Evânio da Silva Macedo, motorista de Uber, que aderiu e apoia a greve dos caminhoneiros, também se mostrou indignado com as medidas tomadas por Temer. “Aderi a paralisação pelo preço alto do combustível. É um absurdo isso. Não tem como a gente rodar mais. Eu acho que não tem um brasileiro que não está sendo prejudicado com o preço abusivo do combustível. Esse governo f*&%$# que rouba e nós que temos que pagar pelo roubo deles. Eles estão milionários. O Lulinha andando de Ferrari, jatinho particular e eu andando de Corsa financiado e não dando conta de pagar, por causa do preço abusivo do combustível”, esbravejou.

Por Marcelo Schaffauser

SEM COMENTÁRIOS