Cachorra faz a alegria em supermercado há 12 anos

Foto- Claudio Lahos

Recentemente uma polêmica ganhou destaque nas redes sociais. Na ocasião, o segurança de uma grande rede de hipermercados cometeu maus-tratos com uma cachorra que estava no estabelecimento.

As pessoas ficaram indignadas com a atitude do funcionário, o que rendeu manifestações até de defensores dos animais. Em contrapartida a essa triste realidade, a equipe do jornal DHoje foi conhecer a história de uma cachorrinha famosa em Rio Preto. Lola, como muitos outros cachorros perdidos, chegou machucada ao supermercado Barradas há 12 anos e, desde então, vive fazendo a alegria dos proprietários, dos funcionários e até mesmo dos clientes.

A cadelinha, de coloração branca e com manchas bege e uns quilinhos a mais, é a celebridade do estabelecimento e cultua muitos fãs. No entanto, diferente dos famosos, ela odeia tirar fotos. Basta ver uma câmara para se esconder.Sandra Regina Barradas, proprietária do supermercado, comenta que foi a Lola quem adotou eles e não o contrário. “Eu costumo dizer que foi ela que nos adotou. Ela chegou e foi ficando. Fomos dando comida para ela, carinho, quando vimos já estávamos apegados a ela. Depois achamos melhor realizar a castração e aqui ela permanece fazendo nossa alegria”, destaca.

Lola é a atração do supermercado. Todos os clientes gostam dela e uma das primeiras coisas que fazem ao chegar no estabelecimento é perguntar pela cachorrinha. Ela é tão querida que não ganha apenas carinho. O pessoal que gosta da Lola ajuda nas despesas com veterinário, banho e até vacinação. O carinho não para por aí. Os clientes criaram um vínculo tão grande com a Lola que dão até presentes a ela. “No Natal, é a época que ela mais ganha presentes. O pessoal traz bichinhos para ela, outros brinquedos, comidas. Essasemana mesmo ela ganhou uma caminha nova”, comenta Amanda Barradas.

Para se ter a noção do carinho que os clientes criaram por Lola. Sandra fala de um episódio e m q u e a cachorrinha ficou desaparecida por quinze dias. As pessoas ficaram muito sentidas com o sumiço. “Teve uma vez que ela sumiu. Acho que algum andarilho colocou ela em um carrinho e ela foi. Deve ter ficado uns 15 dias afastada daqui. Aqui, parecia um velório. Era cliente chorando, perguntando da Lola e nada. Uma funcionária nossa q u e encont r o u ela no Jardim Urano. Ligou para nós e fomos buscá- -la de novo. Desde esse sumiço já se passaram sete anos. Hoje, ela late brava sempre quando vê um carrinho, pois tem medo de pegar ela e levar embora”, comenta. Lola tem o seu espaço reservado no supermercado. Ao longo do dia reveza entre os carinhos dos clientes e o ar condicionado do escritório do estabelecimento, onde também adora ficar. Agora, na parte mais interna do supermercado, ela não entra. “Ela está com a gente, mas é amada pelos clientes.

A maioria dos clientes aqui adotaram ela. Tem cliente que chega, a esposa desce, a Lola entra no carro, ele dá uma volta no quarteirão. Aí ela desce e ele estaciona o carro. Ela muito querida por muita gente”, diz. Muitos clientes chegam ao supermercado e a primeira coisa que fazem é perguntar pela Lola. Juliana da Silva Garcia, 43 anos, gerente, ressalta que a Lola não gosta quando os clientes esquecem de cumprimentá-la. “Ela tem um carinho muito grande com os clientes e ela conhece cada um deles quando entra. Às vezes, o cliente esquece de cumprimentar ela. Ela já saiu correndo atrás latindo. Pessoal traz petiscos para ela. Todo mundo conhece a Lola aqui”, comenta.

O pessoal comenta que a Lola ama viver rodeada de pessoas e escolheu o supermercado para ser o seu lar. “Não adianta alguém querer levar para casa. Ela fica triste e volta para cá. Tinha uma funcionária que morava aqui perto. Ela ia acompanhando, mas ela voltava. Já tentaram levar ela e ela fica triste. Ela gosta de ficar aqui. Tudo isso para ela, é um amor”, finaliza Sandra.

Conteúdo especial: Leandro BRITO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS