Brasil e Índia fortalecem cooperação para biotecnologia, indústria e saúde

Em 2012, Brasil e Índia realizaram o primeiro e último encontro bilateral, em Nova Deli

Os dois países mantêm parceria desde 2006, quando foi assinado o Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica.

Brasil e Índia pretendem fortalecer o acordo de cooperação para áreas de biotecnologia, indústria e saúde. Os dois países mantêm parceria desde 2006, quando foi assinado o Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica.

“Ainda temos muito a fazer”, comentou o embaixador da Índia no Brasil, Sunil Lal. Durante encontro com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, o embaixador também reforçou a parceria entre os países. “Nosso interesse é colaborar em biotecnologia agrícola, industrial e saúde”, ressaltou.

Em 2012, Brasil e Índia realizaram o primeiro e último encontro bilateral, em Nova Deli. Na ocasião, os dois governos estabeleceram um memorando de entendimento em biotecnologia, que resultou em duas chamadas públicas lançadas pelo CNPq, em 2013 e 2015.

Os editais bilaterais estimularam projetos de cooperação científica e tecnológica em agricultura, com foco em cana-de-açúcar e biocombustíveis de segunda e terceira gerações; indústria, para o desenvolvimento de biofármacos e vacinas; e saúde, em busca de soluções para doenças infecciosas e negligenciadas.

Outra chamada pública conjunta com o CNPq, iniciada em 2012, incentivou parcerias bilaterais em ciências da saúde e biomédicas; energias renováveis, eficiência energética e tecnologias de baixo carbono; engenharia, ciência dos materiais e nanotecnologia; geociências, incluindo oceanografia e mudanças climáticas; matemática e tecnologias da informação e computação.

Para planejar o segundo encontro da Comissão Mista Brasil-Índia em Ciência e Tecnologia, previsto para o segundo semestre, em Brasília, Kassab sugeriu a realização de uma reunião preparatória em maio, na embaixada, com representantes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e de secretarias estratégicas do MCTIC.

 

Da Redação

Fonte: Portal Brasil

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS