Biometria não é necessária para rio-pretenses nesta eleição

Em relação à biometria, processo que em Rio Preto só irá valer a partir de 2022, a chefe do cartório diz que todos os eleitores dos 18 aos 70 anos são obrigados a fazer. Porém, não é necessário neste momento, já que eleições utilizando o sistema de biometria não irão valer na cidade neste ano.

“É importantíssimo frisar para população que a biometria não é obrigatória para Rio Preto nesta eleição. Temos atendido muitos idosos, porque eles morrem de medo de perder benefício, de não receber aposentadoria. Eles vinculam e isso não vai acontecer. A biometria em Rio Preto será em 2022. Sem falar que quem tem mais de 70 anos não precisa fazer a biometria, porque a partir de 70 anos não é mais obrigatório a votar, ou ter título”, lembra a chefe do cartório.

“No período de eleição, de ano eleitoral, a gente já tem um aumento natural de movimento por conta desses eleitores que querem se alistar, transferir, revisar, mudar nome de casado, passar para outra seção, então, já tem esse aumento significativo. Todo mundo vai ter que fazer a biometria, mas não há necessidade de ficar duas, três horas na fila, para uma coisa que não será obrigatória e não vai ter prejuízo nenhum. Reabriu o cadastro, 7 de novembro, estaremos aqui de portas abertas para receber o eleitor e continuar fazendo a biometria até 2022”, esclareceu Renata de Alcântara.

Atualmente com 320 mil eleitores em Rio Preto, sendo que somente na Zona 267, a maior da cidade, que vai desde a Avenida Bady Bassitt até toda a Zona Norte, são 140 mil eleitores, Renata diz que os atendimentos nos últimos dias de cadastramento chegam até 600 pessoas por dia.

“A Zona 267, geralmente, historicamente falando, nos três últimos dias, a gente costuma atender em torno de 600 pessoas por dia. Mas fazemos de outra forma nesses dias. Para atender todo mundo, a gente faz um requerimento de alistamento eleitoral e agendamos para o eleitor vir só colher dados biométricos na semana seguinte ou depois. Há essa possibilidade e isso é feito no final, justamente para atendermos mais. O atendimento da biometria gira em torno de 15 minutos por eleitor. Abrimos mão de colher esses dados biométricos, atendemos o eleitor, fazemos o requerimento de alistamento eleitoral, o eleitor assina e agendamos para a semana seguinte para só colher os dados. Mas se o eleitor não voltar depois para fazer é como se esse título não tivesse existido e aí esse processo é indeferido”, finalizou.

 

Por Marcelo Schaffauser

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS