Autoescola fecha sem avisar e alunos ficam sem habilitação

Foto Divulgação

Alunos da autoescola Centrocon, que funcionava há mais de 20 anos, na Vila Ercília, em Rio Preto, estão revoltados com o prejuízo gerado. A unidade fechou as portas e deixou muitos alunos sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O dono da autoescola não quis dar entrevista para comentar a situação. Matriculada no Centro de Formação de Condutores, a dona de casa Emilly Andriele de Oliveira Freitas, de 20 anos, deveria ter começado as aulas práticas, mas não consegue entrar em contato com a autoescola. “Fui até lá e eles fecharam as portas, tinha um novo endereço no cartaz, mas eles não sabem informar quais serão as providências a serem tomadas agora”, afirma. Emilly tenta obter a CNH nas categorias A e B, parcelou em 10x no cartão de crédito, fez os exames necessários de vista e psicotécnico, os nove dias de cursinho simulador e prova teórica do Detran.

O desempregado Jonas Roberto Baltazar de Oliveira, de 19 anos, pagou R$800 à vista e parcelou a primeira parcela, fez o cursinho e a prova do Detran. “Faz duas semanas que ficaram de entrar em contato, mas até agora nada”, declara. Outra vítima é a estudante Ana Carolina da Silva Fernandes Datti, de 18 anos. Ela pagou R$1,3 mil e só conseguiu fazer o exame de vista e psicotécnico e não conseguiu concluir o processo pra ter sua CNH. “A gente se sente prejudicada, não sei a quem recorrer”, diz. De acordo com a legislação vigente, o processo de habilitação tem a validade de 12 meses, a partir da data de requerimento, isso quer dizer, a partir do momento que o candidato é inscrito no Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

A dona de casa Marcela Regina de Lima Siqueira pagou R$1,5mil à vista, em dinheiro, a obtenção da CNH do filho Bruno, de 18 anos, parcelou em 5x mais R$1 mil no boleto bancário. “Até agora meu filho fez o exame de vista e o psicotécnico, faltou o curso teórico”, desabafa. Após dar entrada no processo, o candidato à primeira habilitação tem um ano para passar em todas as etapas. O primeiro passo é ser aprovado na avaliação psicológica, depois disso o exame de aptidão física e mental que avalia a visão, força muscular, coração, pulmão e saúde mental.

Após ser aprovado nesses exames, o candidato passa por 45 horas/aula de curso teórico e se aprovado no exame, começa as aulas práticas. O curso prático deve ter obrigatoriamente, no mínimo, 20 horas/aula para a categoria A. Para a categoria B são obrigatórias, no mínimo, 25 horas/aula, das quais 5 horas/ aula em simulador de direção veicular. Após a conclusão do curso, o candidato faz a prova prática. A aprovação em uma etapa permite fazer a etapa seguinte. Se reprovar no exame teórico ou prático, o candidato terá que esperar 15 dias para fazer novo exame, sem precisar repetir as etapas nas quais tiver sido aprovado, desde que o processo esteja dentro da validade. Se o processo vencer, o candidato terá que reiniciá-lo.

Em nota, o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) informou que o Centro de Formação de Condutores Centrocon encerrou as atividades por conta própria. A orientação do Detran é que os alunos procurem outra autoescola. Como todo o histórico fica registrado no sistema, os alunos não serão prejudicados e poder retomar o processo do estágio em que pararam.

Já em relação ao prejuízo dos alunos, a advogada Ana Cristina Vargas Caldeira, especialista em direito do consumidor em Rio Preto, orienta que a empresa deve tentar uma conciliação com os alunos para ressarcir os danos, e se isso não acontecer, eles deverão procurar a justiça. “Procurar o Cejus e tentar uma conciliação extrajudicial com os alunos, pra pelo menos dar condição a esses alunos arcarem um pouco pra aquele aluno que vai migrar pra outra autoescola”, explica.

 

saiba mais

Outro lado

Em nota enviada a reportagem, a direção esclarece os motivos do encerramento das atividades. A Centrocon empresa atuante no seguimento de autoescola em São José do Rio Preto, há mais de 20 anos, teve suas atividades interrompidas no início deste mês, em decorrência do agravamento econômico do país, o qual atingiu de forma mais intensa nos últimos dias, sendo que nosso segmento já sofria há três anos.

Tentamos tudo que possível, mas a decisão de fechamento foi com o intuito de que não aumentasse o problema e número de envolvidos. A situação não foi premeditada, foi uma situação de força maior, com decisão imediata, não tendo como contatar de forma antecipada a todos em decorrência da necessidade de interrupção. Foi muito duro acabar com uma empresa tão querida em 2 dias. A decisão de fechamento da empresa, foi abrupta e com o único objetivo de que não aumentasse o número de pessoas envolvidas, como clientes, colaboradores, fornecedores, etc.

A Centrocon, ao longo destes anos, sempre prezou pela transparência e verdade junto a todos. Da mesma forma que foi anunciado, em nossa rede social (facebook) que ninguém ficará sem resposta e término dos serviços contratados que tenham sido pagos, porém pede aos clientes que tenham paciência para o período de reorganização e contato com todos. O ocorrido não foi com nenhum objetivo diferente do exposto, tendo sido muito dolorido e triste ao proprietário, colaboradores e todos envolvidos. É uma questão de tempo para a resolução de tudo e esta semana já foi iniciado os contatos com clientes e a resolução de caso a caso, tendo em vista que cada contrato tem características e situação diferentes.

Pedimos desculpas pelo atraso dos serviços e entendemos que a preocupação dos clientes seria com eventuais perdas, o que não ocorrerá, portanto em alguns dias todos estarão contatados. Alguns clientes estão optando em transferir seus processos para outras autoescolas e até mesmo sujeitando-se a pagamentos. Informamos que é por pura precipitação e não há necessidade que isto ocorra, é só aguardarem que resolveremos sem prejuízos àqueles que já pagaram. Conteúdo especial: Harley Pacola 

 

Da REPORTAGEM

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS