Assassinatos na região seguem em investigação

Foto: Divulgação

Um homem, de 20 anos, foi encontrado morto, na manhã de sexta-feira (10), no Jardim Aroeira II, zona norte de Rio Preto. O corpo estava em uma área rural e tinha indícios que apontam para execução.

De acordo com a Polícia Civil, o corpo de Vinicius Hyan Gonzaga Santos tinha um ferimento de tiro na nuca e o projétil saiu pela face. Também havia ferimentos nos dedos das mãos, que podem ter sido provocados por uma arma de pequeno calibre ou por tortura.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a vítima já tinha passagem pela polícia por porte ilegal de arma de fogo e já havia sido vítima de tentativa de homicídio há três meses. “A investigação aponta para execução motivada por vingança”, comentou o delegado da DIG, Delegacia de Investigações Gerais, responsável pelo caso, doutor Alceu Lima de Oliveira Júnior.

“A suspeita é que o crime tenha sido motivado por vingança. Talvez os criminosos acreditam que ele tenha passado informações de quando foi vítima de tentativa de homicídio. Mas ele não passou”, completou Alceu.

A polícia também investiga a relação desta morte com o homicídio de Jader Silveira Lucena, de 33 anos. A esposa de Jader acionou a polícia depois de ouvir os tiros e encontrar o marido caído em frente a residência, na noite de domingo (22).

Na ocasião, testemunhas informaram à polícia que viram dois homens em uma moto. O celular e a carteira da vítima não foram encontrados.

A polícia já tem suspeitos de ter cometido os dois assassinatos, mas até o momento, ninguém foi preso.

Outro homicídio

O corpo de um taxista, de 64 anos, foi encontrado em um canavial entre Fernandópolis e Estrela D’Oeste, na tarde de sexta-feira (10). Gabriel dos Santos estava desaparecido desde a manhã do dia anterior, após ter aceitado uma corrida.

O helicóptero Águia, da Polícia Militar, localizou o corpo no meio de um canavial de uma propriedade rural após mais de 24 horas de buscas. Havia uma conexão entre o celular da vítima com a torre de transmissão, instalada às margens da rodovia Euclides da Cunha.

Durante as investigações, testemunhas afirmaram que dois homens, ainda não identificados, chegaram e pediram o serviço de transporte até uma fazenda. A vítima trabalhava a pouco tempo como taxista e aceitou a oferta depois que outro colega havia dispensado a corrida.

O corpo foi enviado para o Instituto Médico Legal, IML, de Fernandópolis. A polícia ainda não tem pistas dos autores do crime.

Por Bia MENEGILDO

Colaborou: Guilherme RAMOS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS