Ansiedade e todos seus malefícios

Foto: Arquivo Pessoal

Ansiedade é um sentimento de medo e apreensão, caracterizado por estresse, angústia, apreensão, nervosismo ou inquietação decorrente de uma precipitação do perigo ou de algo estranho que não sabemos o que é. Nos últimos anos tem sido algo bem comum no meio de crianças, jovens, adultos e até idosos. Mas você sabe diferenciar um simples estado de ansiedade e quando isso foge ao seu controle?

Existem dois tipos de ansiedade, a mais comum na qual o indivíduo apresenta diante de um novo emprego ou em apresentar um trabalho acadêmico e a que se transforma em um  transtorno, onde os sintomas acontecem com intensidade no dia a dia, necessitando muitas vezes de ajuda profissional.

Vitória Nascimento de 17 anos, já teve sérios problemas com ansiedade. A jovem conta que na sua pior fase, não conseguia fazer coisas essenciais como, comer, dormir ou até sair de casa e que tinha medo de tudo que viria acontecer no futuro. A estudante percebeu que ansiedade estava saindo do seu controle quando na véspera de um dia importante, começou passar mal com náuseas. Após exames e algumas conversas com seu psicólogo, Vitória descobriu que todo seu mal-estar era fruto de sua ansiedade e começou a tomar remédios para controlar os sintomas. “Tomo remédio há quatro meses, às vezes, eu dou um intervalo, mas me sinto bem melhor, agora eu consigo ir aos eventos importantes para mim, se fosse antigamente eu ficaria em casa me lamentando” contou Nascimento.

A psicóloga Juliana Gonçalves explica que os sinais da ansiedade podem ser os mais variados possíveis. “Os sintomas mais comuns são tremores, sudorese, insônia, tensão muscular, nervosismo ou irritabilidade, possíveis sintomas somáticos (náusea e diarreia), batimentos cardíacos acelerados, falta de ar, insegurança, excesso de suor, entre outros. Tudo depende do organismo, alguns sintomas podem ser diferentes e se confundir outras doenças” completou Gonçalves.

Suellen Oliveira parou de tomar os remédios há nove meses. A jovem descobriu que precisava de medicamentos, pois sentia fortes dores de cabeça e no maxilar, então resolveu procurar uma especialista, após se consultar foi encaminhada há um psicólogo, onde foi diagnosticada a ansiedade por conta de algumas preocupações. Hoje Suellen conta que já tem um controle maior mesmo não tomando mais os remédios. “Estava sim saindo do meu controle, eu não conseguia me concentrar pelas fortes dores, mas tive acompanhamento de muitos profissionais e superei”, completou Oliveira.

A ansiedade pode ser causada por vários motivos, preocupação excessiva com circunstâncias cotidianas e rotineiras como, responsabilidades no trabalho, finanças, estado de saúde de um familiar, tarefas domésticas, relacionamentos entre outros. E atenção uma pessoa que não dá à devida atenção ao problema pode desencadear maior intensidade, duração ou frequência dos sintomas e até um quadro de depressão.

Colaborou: Thais LOBATO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS