Ameaça de epidemia faz Saúde intensificar ações contra dengue

Divulgação

Rio Preto está sob ameaça de sofrer uma epidemia de dengue. As altas temperaturas, chuvas de verão e a proliferação de criadouros se torna uma mistura explosiva que pode culminar com a propagação em larga escala da doença, que é considerada grave e pode até matar.

Em 2019, a Secretaria Municipal de Saúde já registrou 370 casos suspeitos até o momento, que estão sob investigação, o que representa, em média, 21 notificações por dia. O sorotipo predominante é o vírus DEN2 que provocou uma epidemia em 2002.

No ano passado, foram 728 casos confirmados, sendo 163 nos meses de novembro e dezembro. Além disso, estão sob investigação outros 381 casos registrados em 2018.

Para tentar coibir o avanço do Aedes aegypti a Secretaria intensificou as ações de enfrentamento, com vistas também a combater as arboviroses, como zika e chikungunya.

Segundo a assessoria de imprensa da Pasta, foram reforçadas as “estratégias de prevenção, conscientização e mobilização da população, além da assistência aos suspeitos da doença e da atualização dos médicos na abordagem do paciente”.

PLANO ESTRATÉGICO

De olho no aumento de casos no verão, no dia 10 de janeiro, foi iniciada a ‘Atualização sobre manejo clínico da dengue’, direcionada aos médicos e profissionais de enfermagem, das redes pública e privada. Os treinamentos devem ser realizados até fevereiro.

Com a finalidade de apresentar e detalhar o protocolo que inclui parâmetros de hidratação adequada, exames necessários e sinais de alarme da doença, essa atualização buscará identificar de forma precoce os casos graves e reduzir os riscos de óbitos na fase aguda da doença.

Outra medida ofensiva da Saúde, iniciada no último dia 10, é a capacitação dos primeiros funcionários públicos municipais que compõem as brigadas contra o Aedes. Ao final, serão treinados 700 brigadistas.

“São dois grandes objetivos. O primeiro, é eliminar o mosquito nos prédios públicos e, o segundo, conscientizar a população para que cuide melhor de suas casas e

empresas”, frisa Abner Alves, gerente da Vigilância Ambiental.

Semanalmente, são vistoriados aproximadamente 350 prédios públicos municipais, como escolas, creches e repartições.  A expectativa da Secretaria é formar multiplicadores entre integrantes de associações de bairros, empresas e condomínios.

A orientação para as pessoas que apresentem sintomas como febre, dores no corpo, de cabeça e abdominal é que procurem atendimento médico e não façam uso de medicamentos por conta própria.

CRIADOUROS

A participação da população, segundo o prefeito Edinho Araújo, é fundamental para que os mutirões surtam resultado. “Todos precisam dar o exemplo. Temos que fazer a nossa parte e cobrar. Não adianta cuidar uma única vez e parar. É um trabalho permanente”, destacou.

A eliminação dos criadouros deve ser uma tarefa rotineira, segundo a Secretaria de Saúde. A Pasta adverte para que os rio-pretenses mantenham limpas as áreas descobertas, eliminando recipientes que possam acumular água, como garrafas, latas, tambores, pneus e sacolas plásticas.

Outras recomendações dizem respeito ao tratamento dos reservatórios de água pluvial com cloro, tampando tonéis e caixas d’água, mantendo fechadas as tampas de vasos sanitários e ralos, não deixando água acumulada nos vasos e pratos de plantas.

 

Por Daniele Jammal 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS