Alckmin sanciona lei que libera uso de celular para fins pedagógicos em escolas estaduais

O governador Geraldo Alckmin, acompanhado do secretário de Educação, José Renato Nalini, sancionou, na tarde desta segunda-feira (6), a lei que libera o uso de telefone celular em sala de aula para fins pedagógicos. O projeto de lei nº 860/2016, que altera a lei 12.730/2007, que proibia o uso de celulares em escolas estaduais, foi aprovado pela Assembleia Legislativa de São Paulo, no último dia 11 de outubro.
A proposta foi encaminhada pelo governador à Alesp, em 2016, após um pedido feito pelo titular da Pasta. Ao sancionar a lei, estudantes dos ensinos fundamental e médio poderão utilizar os aparelhos em sala de aula, em atividades pedagógicas, orientadas por educadores, envolvendo-os na linguagem de seu tempo, no acompanhamento das inovações tecnológicas e despertando a criatividade no desenvolvimento de novos projetos.
“A Secretaria de Educação tem feito um excelente trabalho de tornar a escola mais atraente para os jovens e de melhorar a qualidade do ensino. A internet no celular abre inúmeras possibilidades de atividades e pesquisa. Será um grande salto em benefício dos alunos”, disse o governador.
Wi-fi e banda larga na rede estadual
Até outubro de 2018, todas as 5 mil escolas estaduais serão equipadas com sistema wi-fi e banda larga. A novidade faz parte do novo plano tecnológico anunciado pelo governo de São Paulo e que irá modernizar a rede. A instalação da internet sem fio terá início nas salas dos professores e de informática. As unidades que participam do Escola da Família também poderão utilizar a conexão aos fins de semana, em áreas indicadas por cada equipe gestora.
        O sinal também estará mais rápido. Dois links vão abastecer as escolas: Intragov (do governo estadual e já existente) e Telefônica. O reforço garante a conexão permanente e a possibilidade de distribuir o sinal entre atividades pedagógicas e administrativas. Além disso, a velocidade será ampliada. Importante: o monitoramento e filtro de conteúdo acessado pelos estudantes será mantido.
Da Redação
COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS