Ala reformada deve ampliar atendimento do SUS em Olímpia

A Santa Casa de Olímpia entrega ala reformada para atendimento à população. O espaço, que estava desativado, entrou em obra no ano passado para abrigar a enfermaria do SUS. Com a reativação, a nova ala de leitos hospitalares agora oferece dez apartamentos e capacidade para atender mais de 20 pacientes com acompanhantes.

Segundo a prefeitura, foram feitas adequações elétricas, hidráulicas e pintura. Além disso, foram adquiridos novos equipamentos, como camas com controle remoto para regulagem, mobiliário, aparelhos de ar-condicionado, televisores e frigobar.

Dhoje Interior

A obra, que custou R$ 200 mil, contou com investimentos provenientes de parte do recurso devolvido pela Câmara Municipal para a prefeitura e também com doação do parque Thermas dos Laranjais.

“Fechamos 2019 com 74% de atendimento SUS que está com repasses congelados há 15, 16 anos. Por isso, precisamos dessas parcerias para manter o hospital. Acabamos de receber do prefeito, que está sempre disposto a ajudar, a notícia de que a Prefeitura vai aumentar em R$ 54 mil a subvenção mensal. Essa entrega é ainda mais especial porque irá oferecer qualidade igualitária nos atendimentos do SUS e convênios com a estrutura oferecida”, afirmou o provedor do hospital, Luiz Alberto Zaccarelli.

O local recebeu o nome do Projeto ‘Thermas Social’, em homenagem ao trabalho desenvolvido e contribuição do parque Thermas dos Laranjais, em benefício do hospital.
O médico Nilton Martinez, o mais antigo cirurgião do hospital, também falou sobre as melhorias e a nova ala.

“Quero parabenizar a Câmara, a Prefeitura e o Thermas por toda a ajuda e parabenizar todos os colaboradores da Santa Casa que vestem a camisa. Vou desafiar a qualquer um a encontrar no Brasil algum alojamento como o que vocês vão ver aqui. Agora, vamos abrir um pronto-socorro novamente e graças a esse esforço vamos conseguir atender os pacientes graves diretamente aqui”, destacou Martinez.

Essa é mais uma grande melhoria que integra o projeto de reestruturação do hospital, desenvolvido por meio da provedoria, com o intermédio do prefeito Fernando Cunha, Câmara Municipal e apoio de empresas parceiras.

Cunha falou sobre a importância da Santa Casa para a cidade e fez um balanço sobre os investimentos.

“Esse é o único hospital da cidade e precisava entrar na política de saúde do município. Levamos três anos para conseguir equilibrar as contas. Temos 55 mil habitantes, mas temos mais 50 mil da comarca que atendemos aqui porque não temos ajuda das prefeituras. Estamos quase zerando o déficit e conseguimos investir. Veio o gerador, o centro cirúrgico, a UTI, os leitos particulares e, então, os leitos SUS”, concluiu.

 

Por Mariane DIAS