Acusado de pedofilia é liberado pela Justiça

O estudante G.M.D.S., 22, morador no Solo Sagrado, na Região Norte de Rio Preto, foi solto na manhã desta quarta-feira pelo juiz Sandro Nogueira de Barros Leite. Acusado de pedofilia, ele foi preso ontem, 18, durante a Operação Luz na Infância, e deve responder o processo em liberdade.

O magistrado acatou a tese da defesa do jovem que alegou que ele era estudante e não tinha dinheiro. Ao ser preso em flagrante por policiais do GOE (Grupo de Operações Especiais), S. foi levado à DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), onde teve fiança arbitrada em R$ 3 mil.

A ação, desencadeada simultaneamente em 12 Estados do Brasil, cumpriu 112 mandados de busca e apreensão. Na região foram dois, sendo um em Rio Preto e outro em Catanduva. A operação, que está em sua sexta fase, tem como finalidade combater crimes de abuso e exploração sexual infanto-juvenil.

Desde o início da ‘Luz na Infância’, em outubro de 2017, já foram expedidos 1.217 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de pedofilia em todo o país.

SUSPEITO

Na casa de S. foram apreendidos uma CPU, dois pen drives e um celular.  “Foram encontradas, em um pen drive, cenas de vídeos e fotos contendo sexo pornografia infantil das mais diversas formas e das mais diversas idades também”, declarou o delegado do GOE, Alexandre Del Nero Arid.

A delegada da DDM rio-pretense, Margarete Franco, afirmou que “como ficou comprovado que ele tinha essas imagens armazenadas e que podia dispor desse material a hora que quisesse visualizar, então deliberamos pela prisão em flagrante”.

A pena para quem armazena conteúdo pornográfico infantil varia de um a quatro anos de prisão, de três a seis anos pelo compartilhamento e de quatro a oito anos de prisão pela produção de conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual.

Daniele JAMMAL