‘Abril Marrom’ alerta para as doenças que causam cegueira

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a prevenção das doenças que causam cegueira, a campanha ‘Abril Marrom’ aborda a importância dos cuidados com a saúde ocular. Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), existem cerca de 1,2 milhão de pessoas cegas no Brasil. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 60% e 80% dos casos de cegueira podem ser evitáveis ou tratáveis.

As três principais causas de cegueira no mundo são doenças que acometem, sobretudo, idosos: Catarata, Glaucoma e Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). “A causa mais comum da catarata é o envelhecimento do cristalino que ocorre pela idade. Porém, ela poderá estar associada a outros fatores, como diabetes descontrolada, tabagismo, alcoolismo, trauma ocular, além de colírios sem prescrição médica. O único tratamento efetivo para curar a catarata é a cirurgia”, explicou o oftalmologista especialista em catarata Leonardo Pereira.

Dhoje Interior

Já o glaucoma é o principal responsável pela perda irreversível de visão. De acordo com oftalmologista especialista em glaucoma José Renato Duarte, a doença é causada principalmente pela elevação da pressão intraocular (PIO), que provoca lesões no nervo óptico. “Herança genética, envelhecimento, diabetes e traumas oculares também aumentam o risco do glaucoma”, afirmou.

De acordo com o Ministério da Saúde, a DMRI é a principal causa de cegueira irreversível em pessoas com mais de 50 anos. “Ela causa a perda progressiva da visão central, tendo como sintomas embaçamento (principalmente durante a leitura) e formação de manchas no campo visual, que surgem conforme a doença progride”, explicou a oftalmologista Paula Miyasaki, especialista em retina e vítreo.

Segundo ela, a exposição ao sol sem proteção, hipertensão e obesidade podem favorece o surgimento dessa doença.

“O diagnóstico precoce de todas essas doenças é a melhor prevenção, por isso, é muito importante visitar anualmente o oftalmologista. Muitas doenças oculares não apresentam sintomas no estágio inicial, e quando aparecem o problema já pode estar em nível avançado, dificultando o tratamento”, comentou Pereira.

O oftalmologista também deixou recomendações para esse período de pandemia. “Um dos principais cuidados durante esse período de pandemia do Coronavírus é não tocar ou coçar os olhos, além disso, pacientes que usam óculos ou lentes de contato devem reforçar os cuidados de higiene pessoal antes, durante e depois do tempo de uso”, afirmou Pereira.

Por Vinícius LIMA