Abraço da Capivara: O primeiro desgaste de Jean

Vereador no segundo mandato e prestes a completar um ano no comando da Câmara de Rio Preto, a presidência do coronel Jean Charles Serbeto (PMDB) pode ser resumida em uma palavra: discrição.

Diferentemente dos seus antecessores, que ganhavam notoriedade por medidas polêmicas – tais como aumento de salários, tentativas de elevar o número de vereadores, reformas milionárias e decisões no plenário que atropelavam o regimento interno -, Jean Charles faz questão de submeter absolutamente tudo à diretoria jurídica. Garante que isso não é ficar em cima do muro, mas buscar “diálogo, bom senso e harmonia entre os vereadores”. Para o que ele é precaução, para seus opositores é falta de personalidade. Não que falte personalidade ao atual presidente: coronel aposentado da Polícia Militar, ele foi uma das vozes mais incisivas na legislatura passada, crítico do governo Valdomiro Lopes (PSB).

A primeira real polêmica da sua gestão surgiu quase 11 meses após assumir o comando da Câmara: a duvidosa compra de três veículos novos para os vereadores – que vão substituir três carros do ano de 2008. Sobre esse assunto, Jean afirmou que está agindo com “responsabilidade” e destacou que há previsão orçamentária para isso. Ele também comentou brevemente sobre o arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer, que é do seu partido – “todos devem ser investigados” – e demonstrou completa sintonia com o prefeito Edinho Araújo (PMDB) ao defender as ações do Executivo na demissão dos Anjos da Guarda – demissão essa que gerou uma onda inédita de furto e vandalismo nas escolas municipais. Acompanhe abaixo a entrevista concedida pelo presidente da Câmara.

Conexão Capivara: Grande parte da população rio-pretense se locomove dentro da cidade em ônibus que são um misto de sauna e lata de sardinha. Com a atual crise, não é mais sensato que os vereadores passem mais um tempo sem trocar os carrões com ar-condicionado que os servem na Câmara?
Jean Charles Serbeto: O gestor público tem o dever de administrar com responsabilidade, empregando o dinheiro público conforme o planejado. Nesta linha de raciocínio, durante este ano de 2017 foi realizado um intenso trabalho de economia, que atinge a redução de cargos de livre nomeação, bem como revisão das comissões desta Casa de Leis, resultando em uma economia de aproximadamente um milhão de reais, que serão repassados ao Poder Executivo até o final do ano. O Poder Legislativo tem programada a renovação da frota, e tem orçamento específico para isto. A frota atende as demandas dos munícipes e toda a administração da Câmara Municipal. Os veículos substituídos serão repassados ao Poder Executivo e podem ser leiloados, e o dinheiro arrecadado ser revertido aos cofres públicos. Vale ressaltar que o edital correspondente a aquisição dos carros novos segue a especificação dos que serão substituídos.
Conexão: O que o senhor acha de a encrenca do Uber cair no colo da Câmara?
Jean Charles: O Poder Legislativo deve estar sempre aberto a todas as discussões que interferem na vida da sociedade. Se for o caso de ser discutida esta questão, não podemos nos furtar deste debate.

Conexão: Como representante da Polícia Militar, o que o senhor acha que o prefeito precisa fazer para barrar a onda de invasões nas escolas da cidade. Dispensar os vigilantes foi uma atitude acertada?
Jean Charles: A competência para administrar e estabelecer as políticas públicas na cidade cabe ao Poder Executivo. Muitas vezes o chefe de Executivo precisa tomar medidas nem sempre agradáveis, mas necessárias, considerando várias circunstâncias. Segundo temos conhecimento, outras medidas estão sendo adotadas, no sentido de fazer frente aos problemas surgidos. Acreditamos que em breve estas questões serão solucionadas.

Conexão: Alguns dos seus pares na Câmara afirmam que o senhor, enquanto presidente da Casa, evita entrar em conflitos e permanece muito em cima do muro. Por que deste comportamento?
Jean Charles: Entendo que ao presidente cabe a administração do Poder Legislativo, bem como conduzir o processo legislativo com isenção, buscando sempre o diálogo, bom senso e harmonia entre os vereadores. Isto não significa estar em cima do muro, mas respeitar as estratégias de cada vereador, não deixando de me posicionar, quando necessário.

Conexão: O senhor considera que é melhor ser vereador sem cargo na Mesa Diretora ou presidir o Legislativo? Tem gostado da experiência?
Jean Charles: Toda experiência deve servir de aprendizado. Com certeza tem sido uma grande experiência para mim. Embora neste quase um ano à frente do Legislativo não tenha realizado tudo o que gostaria, temos a consciência de que estamos no caminho certo. Cada função tem sua importância, seja com cargo na Mesa Diretora, ou sem ele, mesmo porque, em qualquer das situações, o exercício da busca do bem comum deve estar sempre presente.

Conexão: Na última quarta-feira (25), a Câmara dos Deputados barrou o prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer, que é do seu partido. O senhor sempre teve uma posição muito forte dentro da Câmara dos Vereadores de que tudo deve ser investigado. O senhor concorda com a suspensão do processo contra o presidente?
Jean Charles: Entendo que a lei foi feita para todos, e assim, todos devem ser investigados.

Conexão: Um dos assuntos mais debatidos nos últimos tempos dentro do Legislativo é o projeto do Escola Sem Partido. O que o senhor acha desta proposta? Concorda com ela?
Jean Charles: Toda proposta deve ser bem debatida. Esta é mais uma delas, que merece amplo debate.

Conexão: O senhor pensa em se candidatar a deputado nas eleições do ano que vem?
Jean Charles: Temos uma missão a cumprir, até o final do ano de 2018, que é a de presidir a Câmara Municipal. Meus esforços estão totalmente voltados neste trabalho.

 

Clique aqui e confira na íntegra a coluna deste domingo (29)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS