“A diretoria não está omissa”, diz síndico sobre o envenenamento do gato

Foto: Arquivo pessoal Elaine.

O síndico do condomínio Damha I, Idineo Paris, falou nesta sexta-feira (29) sobre o caso envolvendo o envenenamento de um gato de uma das moradoras. O crime gerou críticas à atual administração nas redes sociais.

“Gostaria de esclarecer que a diretoria não está omissa em relação ao caso. Estamos prestando toda a assistência aos moradores e seguindo o estatuto. Tenho um grande amor por gatos e o que aconteceu foi um crime grave. No entanto, considero as críticas à atual administração injustas. Nós não podemos vigiar o quintal, que é o espaço pessoal de cada morador”, comentou.

Dhoje Interior

Paris também afirmou que dedica sete horas de seu dia ao condomínio e que há um projeto para trocar todas as câmeras de vigilância do local por modelos mais modernos e que só não ocorreu antes por conta da pandemia.

Outras pessoas se manifestaram sobre a violência com os gatos nas redes sociais, tendo uma delas afirmado que sua gata recebeu chute na boca. “Os funcionários são orientados a me informar sobre o que acontece do condomínio. Eu desconheço esse caso. Além desse gato que foi envenenado, nós temos conhecimento de um outro que também foi envenenado há dois meses.”, comentou Paris.

Sobre os ataques na internet, o síndico afirmou que vai processar os responsáveis. “O sujeito que está me difamando e me xingando não deve nem me conhecer. Iriei leva-lo à Justiça”, informou.

No dia 12 de maio, o gato de uma bióloga moradora do Dahma I desapareceu. Ele só foi encontrado no dia 18, já sem vida. A dona resolveu levar o animal para fazer uma análise no hospital veterinário do Unirp, onde foi constatado que o gato foi envenenado. A polícia ainda investiga o caso.

Vinicius Lima