A cada dois dias, uma criança é acolhida pelo TEIA

De acordo com dados da Vara da Infância e Juventude de Rio Preto, houve um aumento de cerca de 20% no número de crianças acolhidas pelo Projeto TEIA (Trabalho de Emancipação da Infância e Adolescência) de 2016 para 2017. Foram 155 crianças acolhidas em 2017, sendo 85 do sexo feminino e 70 do sexo masculino. Em média, uma criança é acolhida a cada dois dias.

O juiz Evandro Pelarin comentou sobre a pena para pais que abandonam as crianças. “O artigo 133 prevê que abandonar pessoa que está sob seu cuidado, guarda ou vigilância pode acarretar em uma pena de detenção, de seis meses a três anos”.

Para a psicóloga Cristiane Calvo o problema do abandono pode estar relacionado a própria criação dos pais. “Muito do que se oferece às crianças está baseado naquilo que foi recebido pelos próprios pais. Estudos enfatizam que pais que negligenciam podem ter sofrido na infância frente a um relacionamento afetivo de baixa qualidade”, afirma.

Cristiane também destaca a influência do contexto social, político e social na decisão de abandonar. “Pais e mães que abandonam também podem ter sofrido abandono pelo Estado quando não usufruem de políticas públicas que possam fortalecê-los em suas potencialidades. Muitos deles carecem de condições dignas de vida e também possuem seus direitos violados (moradia, saúde, trabalho, educação, cultura). Assim, não são cuidados e enfrentam dificuldades para cuidar daqueles que dependem de sua proteção”, finaliza.

Dados do Cadastro Nacional de Adoção (CNA) mostram há cerca de 8 mil crianças á espera de adoção em abrigos e 43 mil pais na fila de espera para adotar. Apesar do alto número de pretendentes a adoção, 92% tem a preferência por adotar uma criança branca e 66% das crianças são pardas ou negras. (Colaborou: Vinicius LIMA)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS