2.041 CASOS EM 2019: Trânsito fica mais violento e acidentes com feridos aumentam 34% em Rio Preto

Desrespeito às leis de trãnsito e uso do celular estão entre causas mais comuns de acidentes. Foto: Cláudio LAHOS

O trânsito de Rio Preto ficou mais violento. O número de lesão corporal culposa, quando não há intenção, em acidentes cresceu 34% no ano passado. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP).
Em 2019, foram registrados 2.041 ocorrências dessa natureza. Já no ano anterior, foram 1.522 registros policiais de lesão corporal culposa.
De acordo com o tenente da Polícia Militar, Cláudio Ziroldo, o aumento foi devido à falta de atenção dos motoristas no trânsito e de outros fatores que levam ao acidente. “Nosso principal problema hoje é o manuseio de aparelho celular ao volante. É frequente encontrar o condutor utilizando o telefone, o que acaba tirando a atenção dele na via”, conta.
O desrespeito com o semáforo, sinal de parada e a falta de seta ao cruzar ou virar uma via também estão entre os motivos que levaram o aumento no número de acidentes.
As principais vítimas no trânsito são os motociclistas, já que estão mais expostos em uma colisão e também os que mais cometem infrações. “Infelizmente, a pessoa que dirige uma moto acaba ficando mais exposta numa queda ou batida e, em vez de ter mais cuidado, muitos acabam cometendo mais irregularidades nas vias”, explica Ziroldo.
Para tentar coibir as infrações no trânsito, a Polícia Militar intensificou a fiscalização nas regiões da cidade. Em horário de pico, viaturas se posicionam em lugares estratégicos, entre eles as avenidas Alberto Andaló, Doutor Ernani Pires Domingues, Bady Bassitt, José Munia, e nas regiões da Represa Municipal e Norte.
Para o tenente, as atuações também vem sendo uma forma de tentar coibir as infrações de motoristas no trânsito. “Nós usamos a multa como uma forma de educar os condutores a não cometer mais aquela irregularidade. Não queremos puni-lo”.
Se os acidentes de trânsito com vítima tiveram aumento, os sem vítima tiveram queda. Segundo a Polícia Militar, no ano passado, foram 2.096 registros desse tipo de ocorrência. Já em 2018, houve 2.266 acidentes sem vítima. “Os dados comprovam de que o envolvimento do motociclista em acidentes cresceu. Parte disso, por causa do desrespeito com as leis de trânsito”, disse o tenente.
Conforme o Infosiga SP, Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo, a região administrativa de Rio Preto registrou 342 fatalidades no trânsito no ano passado. O número é 19% maior do que em 2018, quando houve 288 mortes na região.
Ocupantes de automóvel lideraram as estatísticas com 161 mortes, seguidos por motociclistas (103), pedestres (45) e ciclistas (18).
O especialista de trânsito Bruno Scaravelho afirma que 90% dos acidentes poderiam ser evitados se os condutores colocassem em prática as técnicas de direção defensiva que foram apresentadas ainda nas aulas dos Centros de Formação de Condutores.
“Os outros 10% se restringem em falha mecânica e falhas na via. As pessoas estão sempre com pressa e desatentas às sinalizações, aumentando a incidência de colisões”, salientou o especialista.
Bruno defende punições mais severas para infrações para mudar a realidade no trânsito, assim como aconteceu com a Lei Seca. “O Código de Trânsito Brasileiro precisa mudar algumas legislações e ficar mais rígido. O motorista não é punido quando recebe uma autuação. É raro você ver alguém sendo preso por ter cometido um acidente ou por dirigir embriagado”.
A estudante Isadora Mendes Ferreira, de 23 anos, dirige moto por não ter condições de comprar carro e tenta não se envolver em acidentes. “Eu dirijo pra mim e para os outros motoristas. Fico com medo quando vejo um entregador desses aplicativos de comida passando correndo ou de um carro em alta velocidade, tento desviar sempre”, contou.
Isadora está juntando dinheiro para comprar um carro e aposentar a motocicleta. A meta é que isso aconteça em meados de 2021. “Cada mês eu guardo uma quantia maior, para que não sinta tanto no bolso. É um sacrifício que vai valer a pena e deixar meus familiares mais tranquilos”, finalizou.

Vinicius LOPES

Dhoje Interior